Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

política

Vereador Luis Costa fala sobre paralisação nacional dos caminhoneiros e faz um alerta a população


Da Redação

Uma semana de paralisação nacional dos caminhoneiros fez o País parar. O maior reflexo do movimento foi à falta de combustíveis nas bombas. No último final de semana Primavera do Leste acompanhou a movimentação na entrada da cidade, nas margens da BR-070, e ouviu as reivindicações dos caminhoneiros sobre o preço exorbitante dos combustíveis e a desvalorização no pagamento pelo frete.

“Eu acompanhei a paralisação de perto, e os caminhoneiros estão de parabéns pela mobilização nacional, são guerreiros das estradas. A categoria conseguiu baixar R$ 0,46 centavos no diesel por 60 dias, também conseguiu a redução nos postos de pedágio. Todos sabem que eu tenho lutado há anos para que reduza o valor do pedágio cobrado que é um absurdo principalmente a cobrança feita pela Concessionária Morro da Mesa, agora com essa medida, também comemoro junto a categoria. Além dessas reivindicações os caminhoneiros conseguiram 30% na redução do frete da Conab”. Explica o vereador Luis Costa (PR) durante sua fala na última sessão ordinária (28).

No entanto o vereador chama atenção ao dizer que se há redução em um produto, terá aumento em outros. “O governo federal diz que não tem dinheiro, diz que o País está em crise, mas se irá reduzir de um lado, irá aumentar do outro. Quem acompanha a mídia seja escrita ou televisionada, sabe que não existe almoço grátis e que ninguém vai dar prato feito de graça. O governo vai tirar de algum lugar para cobrir essa baixa. Eu parabenizo a categoria e acho o movimento válido, mas isso não ficará de graça”.

Durante a paralisação no final de semana, representantes políticos locais se reuniram em torno dos caminhoneiros para sinalizar apoio ao movimento, porém o legislador Luis Costa explica que o movimento não pode ser político e que o espaço de reivindicações é legítimo, mas partiu de uma categoria.

“Eu sempre expressei minha opinião e sofro perseguições por isso, pago um preço alto, mas eu digo a verdade, o que vimos no final de semana, foi um palanque de comício e é preciso lembrar que a paralisação não é um ato político partidário, é uma luta de uma categoria que tem buscado melhorias, dignidade de trabalho e salário. Um representante de entidade do comércio local disse uma verdade em relação ao apoio do povo à paralisação, em que o comércio todo parou para apoiar a categoria, mas agora os comerciantes esperam o mesmo. Se o comércio parar, ou precisar reivindicar, nós vamos estar juntos, apoiando? O produtor rural vai estar junto ao comércio?” Indaga Luis Costa.

O vereador disse ainda que nós devêssemos ter essa vontade de manifestação e ajudar também outras entidades, se a classe dos caminhoneiros conseguiu uma redução, porque não apoiar outras entidades?

“Este empenho que todos tiveram em ajudar o movimento também poderia se estender a outras classes. Essa determinação precisa continuar. O brasileiro precisa lutar para que tenhamos um final feliz. Não vou aqui fazer um discurso populista, que estou lutando e vamos até o fim, porque infelizmente a conta vai chegar, seja no arroz ou em outro produto. Essa é a realidade. Uma categoria conseguiu, mas o movimento por um Brasil melhor tem que continuar e começando por nós, por cada um. Não existe milagre, a minha expectativa é que as coisas melhorem, porque o problema não está no sistema e sim no brasileiro. Temos o exemplo agora, que quando começou a faltar combustível, todos lotaram os postos e novamente quando chegou nas bombas, mais pessoas lotaram novamente, formando filas enormes, então cadê o sentimento de união, de força, de estarmos juntos? A mudança começa com cada um de nós, porque esse exemplo de filas por combustível demonstra que o carro é uma paixão nacional, todo mundo quer ter seu veículo, mas no momento de luta cadê essa união. Cada um tem que ter atitude, a vereadora Carmem Betti (PSC) veio trabalhar a pé, eu vim de bicicleta e assim que iremos conseguir algo maior, mudando nosso pensamento”. Ressalta o legislador.

Luis Costa encerra sua fala sobre a paralisação nacional dos caminhoneiros dizendo que nós temos que aprender a votar, temos que acompanhar as notícias mentirosas e falsas.

“Eu tenho admiração por alguns representantes políticos sérios como o vereador Manuel Mazutti do MDB, entre outros, mas quero dizer que infelizmente todos os partidos seja, o MDB ou meu partido, todos estão ligados, e para mudarmos esse cenário político temos que mudar nossa cabeça. Aprender a votar, temos que cobrar, unir com todas as categorias, não existe mágica. Mas agora neste momento, todos brasileiros irão pagar a conta, não importa como irá vim essa redução do combustível, mas o governo irá sim cobrar em outro produto. É aquela história, baixa aqui e aumenta dali”. Afirma Luis Costa.

 


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Rosa Weber toma posse na presidência do TSE


A ministra Rosa Weber toma posse hoje (14), às 20h, no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sessão solene no plenário da Corte. A solenidade será transmitida ao vivo pela TV Justiça e pelo canal do TSE no YouTube.

Rosa Weber será a segunda mulher a presidir o TSE em mais de 70 anos de criação do tribunal. A primeira foi Cármen Lúcia, em 2012. O primeiro desafio da ministra será a organização das eleições de outubro, que serão realizadas no dia 7.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, durante a segunda e última audiência pública sobre descriminalização do aborto.
A ministra do STF Rosa Weber (Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil)

Rosa Weber, que é ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), já ocupa a vice-presidência do tribunal e vai suceder a Luiz Fux, que concluiu período máximo de dois anos no cargo. O mandato irá até agosto de 2020.

Na mesma sessão, serão empossados os ministros Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF),  e Jorge Mussi, do Superior Tribunal de Justiça. Barroso assume como vice-presidente do TSE e Mussi será corregedor-geral da Justiça Eleitoral.

O TSE é formado por sete ministros, dos quais três são do STF, sendo um o presidente da Corte. Dois ministros são do STJ, um dos quais é o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, e dois juristas que representam os advogados e são nomeados pelo presidente da República.

Nas eleições de outubro, caberá ao tribunal, além de organizar o pleito, deferir os registros de candidatura de candidatos à Presidência da República e todos os recursos que os envolvem.

Histórico

A ministra nasceu em Porto Alegre e fez carreira como magistrada da Justiça do Trabalho no Rio Grande do Sul. Antes de ser nomeada para o STF em 2011, Rosa ocupava o cargo de ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), foi juíza do Trabalho no período de 1981 a 1991, integrou o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) de 1991 a 2006. Rosa Weber assumiu a presidência do TRT da 4ª Região de 2001 a 2003.

Fonte: Agência Brasil