Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

política

Vereador Luis Costa afirma que fechamento de UTI Pediátrica em Rondonópolis irá deixar de atender todas as crianças e adolescentes da região


Da Redação

Médicos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica do Hospital Filantrópico Santa Casa de Misericórdia de Rondonópolis, anunciam que iriam encerrar os atendimentos neste domingo (15) por falta de repasse de valores por parte do governo do Estado. A unidade já não recebe novos pacientes e os internados devem ser transferidos para outras unidades. Por meio de nota a equipe médica que presta serviço ao Hospital alega dificuldades financeiras e defasagem na tabela do Sistema Único de Saúde (SUS) e por isso, as atividades devem ser encerradas.

A decisão de fechar a UTI Pediátrica em Rondonópolis foi comentada pelo vereador Luis Costa (PR), na sessão ordinária de sexta-feira (13), que foi a última deste semestre. O legislador questiona o governador do estado por ter deixado chegar a esta situação, de fechar as portas por falta de pagamentos.

“Caro Governador, eu lamento muito essa notícia, isso é um crime, é um assassinato premeditado as nossas crianças e adolescentes. Quando a pessoa já está doente, está com a saúde vulnerável, agora imagina fechar uma UTI que é um tratamento intensivo para quem está com a saúde muito delicada, e isso por falta de pagamento, é um absurdo”. Desabafa o vereador.

Luis Costa salienta ainda, que toda a demanda da região em relação a UTI Pediátrica, tem como referência Rondonópolis, e se caso parar os atendimentos, o que irá se fazer, porque quase não existem vagas e as que existem são em outras regiões do estado.

“Todo gestor público tem que ter sempre em mente que prioridade é saúde e educação, sem estes serviços, todos os outros não irão funcionar direito. Nós dependemos de inúmeros serviços de saúde do governo do estado em Rondonópolis, a UTI Pediátrica é um serviço essencial, e se algo estiver errado lá, aqui também será afetado”. Explica Luis Costa.

O legislador fala ainda que todos os meses ouvimos que serviços públicos estão sendo fechados, atendimentos parados, e quem sofre é as pessoas usuárias destes serviços, os mais simples, os que não tem condições de pagar por um atendimento particular, que são maioria.  Luis Costa ressalta que a política é um mecanismo de fazer transformação, principalmente para quem precisa.

“Independente de qual seja o gestor, estadual ou municipal, o nosso povo precisa de saúde e educação de qualidade. Nossa cidade e estado não podem ser tratados com indiferença, precisamos cobrar qualidade de trabalho, e assim atender as demandas existentes. Ainda vemos por ai, escola como a da Vila União uma vergonha, que tem salas divididas, que são pequenas e quentes, paredes deterioradas, crianças estudando em um contêiner, entre outras necessidades. A prefeitura tem responsabilidade em ajudar a manter a escola, já que existe uma sala anexa com crianças vinculadas a educação infantil, e por meio da Secretaria de Educação e Esporte, informaram que irá construir uma estrutura mais adequada aos alunos do município. Porém, não estou vendo mudanças, e melhorias a escola, nem por parte do município e nem estado. Já estamos indo para o segundo semestre e não existem licitações para aquisição de materiais e infraestrutura, e as crianças continuam da mesma forma. É uma vergonha ter um estado e uma cidade tão ricos e não dar o mínimo de estrutura para o futuro destas crianças”. Conclui.

Andamento das negociações da UTI Pediátrica

Após reunião, na sexta (13), entre deputados, representantes da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a diretoria da Santa Casa de Misericórdia de Rondonópolis decidiu prorrogar o prazo para efetivamente paralisar o atendimento da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica.

A suspensão do atendimento estava prevista para domingo (15), mas agora a diretoria vai aguardar até quinta-feira (19), para que o acordo com o Estado e Município seja cumprido.  Segundo a diretoria do hospital, foi estabelecido que seja regularizado os pagamentos em atraso até o início da semana e também vai ser mantido a regularidade nos pagamentos. Ao todo devem ser repassados R$ 2,5 milhões da Prefeitura de Rondonópolis para quitar o déficit das UTIs, além do realinhamento dos valores pagos pelos leitos de UTI.

 


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Rosa Weber toma posse na presidência do TSE


A ministra Rosa Weber toma posse hoje (14), às 20h, no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sessão solene no plenário da Corte. A solenidade será transmitida ao vivo pela TV Justiça e pelo canal do TSE no YouTube.

Rosa Weber será a segunda mulher a presidir o TSE em mais de 70 anos de criação do tribunal. A primeira foi Cármen Lúcia, em 2012. O primeiro desafio da ministra será a organização das eleições de outubro, que serão realizadas no dia 7.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, durante a segunda e última audiência pública sobre descriminalização do aborto.
A ministra do STF Rosa Weber (Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil)

Rosa Weber, que é ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), já ocupa a vice-presidência do tribunal e vai suceder a Luiz Fux, que concluiu período máximo de dois anos no cargo. O mandato irá até agosto de 2020.

Na mesma sessão, serão empossados os ministros Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF),  e Jorge Mussi, do Superior Tribunal de Justiça. Barroso assume como vice-presidente do TSE e Mussi será corregedor-geral da Justiça Eleitoral.

O TSE é formado por sete ministros, dos quais três são do STF, sendo um o presidente da Corte. Dois ministros são do STJ, um dos quais é o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, e dois juristas que representam os advogados e são nomeados pelo presidente da República.

Nas eleições de outubro, caberá ao tribunal, além de organizar o pleito, deferir os registros de candidatura de candidatos à Presidência da República e todos os recursos que os envolvem.

Histórico

A ministra nasceu em Porto Alegre e fez carreira como magistrada da Justiça do Trabalho no Rio Grande do Sul. Antes de ser nomeada para o STF em 2011, Rosa ocupava o cargo de ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), foi juíza do Trabalho no período de 1981 a 1991, integrou o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) de 1991 a 2006. Rosa Weber assumiu a presidência do TRT da 4ª Região de 2001 a 2003.

Fonte: Agência Brasil