Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Servidora aposentada que foi presa suspeita de atropelar gari é solta após pagar fiança de 8 salários-mínimos


Acidente na Avenida Getúlio Vargas, em Cuiabá, deixou gari ferido — Foto: Polícia Civil-MT/Assessoria

Acidente na Avenida Getúlio Vargas, em Cuiabá, deixou gari ferido — Foto: Polícia Civil-MT/Assessoria

A servidora pública aposentada Luiza Siqueira de Farias, de 68 anos, que foi presa suspeita de ter atropelado um gari, que trabalhava na madrugada de terça-feira (20) na Avenida Getúlio Vargas, em Cuiabá, foi solta depois de pagar fiança de 8 salários-mínimos.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Luiza passou por audiência de custódia no Fórum de Cuiabá, onde a Justiça concedeu liberdade provisória. Ela vai responder em liberdade.

O acidente é investigado pela Delegacia de Delitos de Trânsito (Deletran) de Cuiabá. Ela vai responder pelo crime de lesão corporal culposa (quando não há intenção) qualificada. Câmeras de segurança que registraram o acidente devem ser analisadas pelos policiais.

Servidora atingiu caminhão de lixo e gari teve perna esmagada em Cuiabá — Foto: Deletran Cuiabá

Servidora atingiu caminhão de lixo e gari teve perna esmagada em Cuiabá — Foto: Deletran Cuiabá

O acidente

O gari, identificado como Darliney Silva Madaleno, de 41 anos, estava na traseira do caminhão de coleta de lixo quando o veículo conduzido pela servidora pública bateu contra o caminhão, esmagando o gari.

O caminhão, que era conduzido por Aldo Murilo Brito Barbosa, estava estacionado na faixa esquerda da avenida, enquanto o trabalhador recolhia os sacos de lixo. O veículo de passeio trafegava pela pista central, quando bateu na traseira direita do caminhão, onde estava a vítima.

A Deletran esteve no local e realizou o teste de alcoolemia nos motoristas. Luiza apresentou 0,66 mg/l de álcool no sangue.

Darliney foi encaminhado por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Pronto-Socorro de Cuiabá.

Por meio de nota, o prefeito de Cuiabá lamentou o fato e disse que o trabalhador passou por cirurgia.

“Uma pessoa alcoolizada atropelou o trabalhador Darliney, o Ney. Darliney é gari, da empresa terceirizada Locar, e no momento do acidente estava exercendo sua função. Ele foi atropelado e se encontra nesse momento na sala de cirurgia para a amputação de uma das pernas, procedimento que deverá durar cerca de oito horas. É com grande dor que digo isso e quero me solidarizar com a família”.

Fonte: G1 Mato Grosso


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Brasil

Defesa deve pedir hoje prisão domiciliar para João de Deus


O médium João de Deus chega à Casa Dom Inpacio Loyola, em Abadiânia.

A defesa do médium João Teixeira de Faria, o João de Deus, de 76 anos, prepara para hoje (17) o  habeas corpuspara reverter o pedido de prisão preventiva em domiciliar com tornozeleira. O advogado Alberto Toron afirmou que devem ser considerados a idade elevada e o estado de saúde dele. Lembrou que João de Deus passou por um tratamento de combate ao câncer e é cardíaco.

O médium é denunciado por mais de 300 mulheres, incluindo jovens e casos de crianças, de abuso sexual. Algumas acusações têm mais de 30 anos. Elas relatam que os abusos, em geral, ocorriam durante os atendimentos espirituais. Ele se entregouontem (16), por volta das 16h20, na zona rural de Abadiânia, em Goiás, depois de longa negociação.

A primeira noite do médium, após sua entrega à polícia, foi no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, denominado Núcleo de Custódia. João de Deus, segundo os policiais, ficaria em uma cela de 16 metros quadrados com cama, pia e vaso sanitário. A defesa pediu  que João de Deus fosse colocado em uma cela sozinho.

Interrogatório

O médium prestou ontem (16) depoimento por mais de três horas na delegacia em Goiânia. O interrogatório terminou por volta das 22h. Ele foi questionado sobre 15 depoimentos de mulheres que o denunciaram por abuso sexual, negou as acusações e apresentou sua versão sobre as denúncias.

Após o interrogatório, João de Deus foi levado para fazer exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e depois seguiu para Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia. Antes do depoimento, o delegado-chefe, André Fernandes, afirmou que o médium seria questionado sobre cada um dos 15 depoimentos, separadamente. Segundo ele, as denúncias envolvem distintos crimes, como os mais variados atentados a costumes e fraudes.

“[Há uma] singularidade de comportamento. Nesses depoimentos há um ato comum, um modus operandi comum. A gente percebe uma igualdade de comportamento.”

Fonte: Agência Brasil