Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Sargento da PM é baleado pela mulher em MT após não deixá-la ver mensagens do celular dele


Marcelo Gonçalves da Silva foi baleado pela mulher dele (Foto: Facebook/Reprodução)

Marcelo Gonçalves da Silva foi baleado pela mulher dele (Foto: Facebook/Reprodução)

Um sargento da Polícia Militar foi baleado na madrugada desta terça-feira (31) pela mulher dele, em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Marcelo Gonçalves da Silva, de 43 anos, não teria deixado a mulher, Ozélia Francisca Amaral, de 40 anos, olhar as mensagens do celular dele. O casal começou a discutir e Ozélia atirou no peito do marido.

G1 procurou a assessoria da PM para falar sobre o caso, mas não teve retorno. O advogado da suspeita não foi localizado.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar, a situação ocorreu às 1h30 na casa do casal, no Bairro Parque Rodolfo.

A própria mulher ligou para a polícia e socorreu o marido.

A arma do policial, uma pistola ponto 40, foi apreendida (Foto: Lorena Segala/TV Centro América)

A arma do policial, uma pistola ponto 40, foi apreendida (Foto: Lorena Segala/TV Centro América)

Ela contou aos policiais que estava no quarto, com o sargento, e que eles discutiram por um motivo fútil. Ozélia relatou que ela queria olhar as mensagens do celular do marido, mas ele não queria deixar.

Depois de insistir, Marcelo se queixou e afirmou que não aguentava mais a situação e disse que sairia de casa.

Nessa discussão, Ozélia subiu na cama – onde o filho dela dormia – pegou a pistola do marido que estava em cima do guarda-roupa e fez disparos contra o sargento.

Marcelo estava deitado na cama quando foi baleado pela mulher. A criança, de 4 anos, saiu correndo do quarto ao se assustar com os disparos.

Ozélia socorreu o marido e o levou até a base do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. De lá, o sargento foi levado ao Hospital Regional de Rondonópolis.

Conforme a PM, a bala ficou alojada no peito do policial. Ele passa por um procedimento cirúrgico no hospital durante a manhã.

Ozélia foi detida e encaminhada para a delegacia de Rondonópolis. A arma do policial, uma pistola ponto 40, foi apreendida.

Fonte: G1 Mato Grosso


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Rosa Weber toma posse na presidência do TSE


A ministra Rosa Weber toma posse hoje (14), às 20h, no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sessão solene no plenário da Corte. A solenidade será transmitida ao vivo pela TV Justiça e pelo canal do TSE no YouTube.

Rosa Weber será a segunda mulher a presidir o TSE em mais de 70 anos de criação do tribunal. A primeira foi Cármen Lúcia, em 2012. O primeiro desafio da ministra será a organização das eleições de outubro, que serão realizadas no dia 7.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, durante a segunda e última audiência pública sobre descriminalização do aborto.
A ministra do STF Rosa Weber (Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil)

Rosa Weber, que é ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), já ocupa a vice-presidência do tribunal e vai suceder a Luiz Fux, que concluiu período máximo de dois anos no cargo. O mandato irá até agosto de 2020.

Na mesma sessão, serão empossados os ministros Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF),  e Jorge Mussi, do Superior Tribunal de Justiça. Barroso assume como vice-presidente do TSE e Mussi será corregedor-geral da Justiça Eleitoral.

O TSE é formado por sete ministros, dos quais três são do STF, sendo um o presidente da Corte. Dois ministros são do STJ, um dos quais é o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, e dois juristas que representam os advogados e são nomeados pelo presidente da República.

Nas eleições de outubro, caberá ao tribunal, além de organizar o pleito, deferir os registros de candidatura de candidatos à Presidência da República e todos os recursos que os envolvem.

Histórico

A ministra nasceu em Porto Alegre e fez carreira como magistrada da Justiça do Trabalho no Rio Grande do Sul. Antes de ser nomeada para o STF em 2011, Rosa ocupava o cargo de ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), foi juíza do Trabalho no período de 1981 a 1991, integrou o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) de 1991 a 2006. Rosa Weber assumiu a presidência do TRT da 4ª Região de 2001 a 2003.

Fonte: Agência Brasil