Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

cidade

Prefeitura de Primavera do Leste divulga ações que serão feitas em combate ao Aedes Aegypti


O número de casos notificados de dengue em Primavera do Leste aumentou
consideravelmente. Em uma comparação dos quatro primeiros meses de 2018 para os quatro primeiros meses de 2019, o aumento foi de 93,1%. Saltando de 58 para 112 casos. O alto índice colocou o poder público em alerta.

Desde segunda-feira (07) uma força tarefa que busca localizara focos do mosquito da dengue está em atividade na cidade. Os casos de chikungunya foram oito casos notificados neste ao, o mesmo número do ano passado, já em relação a Zika, houve uma redução de 10 para 5. O Ministério da Saúde colocou a cidade de Primavera do Leste no nível de alerta em relação ao risco de surto para doenças relacionadas ao mosquito. Já que a cidade
tem o Índice de Infestação Predial (IPP) está em 1,4%, os dados foram obtidos em primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) de 2019.

O Ministério da Saúde divulga esses dados para alertar as cidades que o sistema de vigilância e toda a população devem reforçar os cuidados para combater o Aedes aegypti. Na região de Primavera do Leste, o município de Poxoréu é o que tem a situação mais grave, com IPP de 4,2%, ou seja, alto risco para surto de doenças provocadas pelo mosquito.

De acordo com o levantamento mais de 80% dos focos do mosquito ainda estão dentro das residências. Por isso a conscientização de todos quanto a não deixar água limpa empossada é necessário.

DADOS DO ESTADO DE MATO GROSSO E NO BRASIL
Um levantamento da Secretaria de Estado de Saúde aponta que 5.394 casos de dengue foram registrados em Mato Grosso no primeiro trimestre de 2019. O número aponta para uma queda de 14,1% de incidência da doença, em comparação ao mesmo período do ano passado.

Apesar de Mato Grosso ter apresentado redução nos números de casos, o índice de todo Brasil é assustador. De acordo com o Ministério da Saúde, o país já soma ao menos 322 mil casos da doença, de acordo com novo balanço do Ministério da Saúde, se levar em consideração o mesmo período do último ano, o crescimento é de 303% —o que indica que, após quase três anos com casos em queda, há uma retomada de um crescimento na transmissão da doença em diferentes regiões do país.

Intensificação nas fiscalizações, ampliação da jornada de trabalho das agentes comunitárias de endemias, contratação de equipes de bloqueio em caráter emergencial e decreto de Estado de Alerta são algumas medidas que a Prefeitura de Primavera do Leste tomará para reduzir o número de focos e proliferação do mosquito Aedes Aegypti, mesmo transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Com pontuação de 1,5 no Índice de Infestação do Vetor, Primavera do Leste é considerado um município com numeração baixa e situação controlada, já que a medição vai de 0 a 5. Através destes indicadores é possível identificar se os casos estão controlados ou se há um surto, no qual medidas emergências podem ser adotadas conforme as orientações do Estado.

Para acabar com focos da dengue e a proliferação do Aedes Aegypti, alguns
municípios adotam o sistema fumacê, que consiste em espalhar nuvens de inseticida pelas ruas e residências. Em Mato Grosso, este método é controlado pelo Governo do Estado. Como Primavera do Leste não possui índices elevados, o uso não foi autorizado.

De acordo com secretária municipal de Saúde, Laura Kelly, o trabalho em combate ao mosquito transmissor da dengue já é realizado, porém, devido ao último acontecimento que culminou na morte de uma menor, as ações serão intensificadas. Entre uma delas, Laura Kelly salienta a ação da equipe de bloqueio. “Iremos agir conforme as notificações”, diz.

A coordenadora de Vigilância Ambiental, Bárbara Pelissari, explica que as ações com equipes de bloqueio são feitas mediante a notificações de casos suspeitos de dengue. “Recebemos as condições do paciente, fazemos a investigação e constatamos se é dengue ou não. Com a confirmação, é feita a movimentação de até 15 pessoas que fiscalizam toda a região em que ela mora e trabalha, realizamos a varredura e posteriormente entramos com os bloqueios químicos, pulverizando o veneno para quebrar o ciclo de transmissão do mosquito”. Pelissari ainda salienta que todo este
processo deve ser feito de forma rápida.

Segundo dados da Vigilância Ambiental e Vigilância Epidemiológica, os bairros com maiores índices de notificação de casos de dengue, em escala de aproximação, são o Primavera II, Poncho Verde e São Cristóvão.
Mônia Maia, coordenadora da Vigilância Epidemiológica, salienta que os números de notificações e confirmações de dengue são todos acompanhados regularmente. “Através disto é que conseguimos pensar em políticas públicas e promover ações de combate”, expõe.

A secretária de Saúde relata que aumentaram os números de atendimentos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no entanto, isso não quer dizer que são casos de dengue. Devido a isto, ela pede para que a população fique atenta aos sintomas e que procure o local em casos de necessidade. “Nossa equipe está preparada para atender a população”.

Laura Kelly orienta a população a ficar atenta com focos do mosquito que podem surgir em todos lugares, seja nas casas, lojas, industrias e “se vermos um copo descartável na rua temos o dever de jogar no lixo, pois ali pode acumular água. É nosso papel de cidadão”.

A coordenadora de Vigilância Epidemiológica pede para que a população fique atenta aos sintomas e que não façam a automedicação, já que está pode agravar o quadro de saúde do paciente.
O prefeito Leonardo Bortolin pontuou um problema recorrente em Primavera do Leste, que é a questão de terrenos baldios onde o cidadão adquire o local, mas não realiza as limpezas. “Temos loteamentos grandes em que os terrenos não são mais da imobiliária, já foram vendidos à população, mas o Poder Executivo que tem que limpar o local, já que a omissão do proprietário”.

ATENDIMENTO AO PÚBLICO
A Prefeitura de Primavera do Leste disponibiliza a Ouvidoria, onde cidadão pode fazer denúncias de focos de dengue. Tudo é feito de forma sigilosa e pode ser acessado através do http://primaveradoleste.mt.gov.br. Outra forma é entrar em contato com a Vigilância Ambiental pelo telefone (66) 3498 9147.

Fonte: Jaqueline Hatamoto / Pérsio Souza – Clique F5


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

geral

Poder Público e sociedade civil intensificam combate a dengue em Primavera do Leste


Cada cidadão precisa se conscientizar de que esse problema é de todos

Com objetivo de montar estratégias para combater com eficácia o foco/criadouro do mosquito da dengue em Primavera do Leste, a equipe do Escritório Regional da Secretaria de Estado de Saúde, instalado em Rondonópolis, sob a coordenação da bióloga Márcia Veloso, se reuniu com os órgãos públicos responsáveis pela saúde pública, como Secretaria de Saúde, Vigilância Sanitária, Secretaria de Educação, Defesa Civil, Polícia Militar, gabinete do prefeito, entidades da sociedade civil, como Rotary, imprensa e presidentes de bairros.

Márcia reforça que, com cerca de 180 casos confirmados, se torna imperioso que o município tenha ações efetivas e, principalmente, que conscientize a população de que a responsabilidade é de todos “e, não apenas da vigilância sanitária, porque só dessa forma, com o engajamento de todos, poderemos vencer essa luta”.

Para a jornalista Jaqueline Hatamoto, que representou a imprensa na reunião, “não se pode desistir porque o trabalho de conscientização não está tendo eco inicialmente, não está sendo assimilado pela população, mesmo assim é preciso insistir, mostrar as estatísticas porque pelo que ouvimos, a união de esforços é a única maneira de controle desse foco”.

A secretária de saúde Laura Kelly se reuniu nessa quinta-feira (23), com 119 servidoras, ACS e ACE, para intensificar o trabalho que é feito rotineiramente e, traçar um trabalho mais efetivo em termos de conscientização das pessoas, “esse trabalho tem que ser coletivo, cada um se conscientizar de que se a sua casa precisa ser bem cuidada, prestar atenção nos mínimos detalhes, só assim atingiremos nossos objetivos”.

A coordenadora da Vigilância Sanitária, Aline Lago, explicou que dispõe de onze fiscais e dois carros para trabalhar focando principalmente no comércio. Segundo ela, a diferença da fiscalização no comércio e nas residências é que no comércio os fiscais podem entrar sem autorização do proprietário e nas residências não, precisa da concordância de quem reside no imóvel. São 1.400 estabelecimentos cadastrados na Vigilância Sanitária em Primavera do Leste, e é preciso visitar pelo uma vez por ano cada um deles, segundo normativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que estipula quais estabelecimentos devem ser vistoriados de acordo com o CNAE – Classificação Nacional de Atividades Econômicas.

Buscando alternativas, Aline reitera que é preciso envolver a comunidade e, com essa ideia, ela vai pedir apoio da Igreja Católica, através do grupo Lareira, para entrar nessa luta, “domingo vou participar da reunião e pedir ajuda desse grupo que é atuante e, sei que os casais vão se engajar nesse movimento contra o vetor da dengue”.

Ascom – Prefeitura de Primavera do Leste


HOME / NOTÍCIAS

política

Vereador Luis Costa solicita apoio do Ministério Público para o cumprimento da Lei do Sossego em Primavera do Leste


Da Redação

Há dois meses, várias pessoas entraram em contato com o vereador Luis Costa (PR), solicitando ajuda para que a situação de som alto, seja fiscalizado e punido. O fato tem ocorrido no loteamento Belvedere. Vários jovens, entre eles, menores, se organizam por um grupo de Whatsapp, marcando o horário em que irão se encontrar e também organizando a compra de bebidas alcoólicas. Estas pessoas ficam durante a madrugada, principalmente nos finais de semana, ouvindo som muito alto e ingerindo bebidas alcoólicas.

“Alguns moradores dos bairros próximos me procuraram para dizer que não tem condições de descansar durante a noite, já que são vários carros com som alto. Além da situação do som alto, essas pessoas consomem bebidas alcoólicas no local”. Explica o vereador Luis Costa.

Mas o problema não é apenas o som, é também o lixo. São garrafas de bebidas alcoólicas quebradas, jogadas pelo chão, garrafas pets, copos descartáveis, papel de balas, restos de comida, entre outros. E a situação é pior ainda porque nenhuma pessoa que participa da  reunião festiva recolhe os lixos, desta maneira, fica exposto no local, causando perigo a população, já que tem cacos de vidro, e também restos de alimento.

Diante da reclamação, Luis Costa recolheu declarações de moradores de Primavera do Leste, que estão sofrendo com a perturbação, anexou a um ofício com destino ao Ministério Público, na qual, solicita ao órgão competente, apoio para notificar a prefeitura a cumprir a lei do sossego, colocando a equipe de fiscalização do Código de Posturas para atender as denúncias.

“O MP vai solicitar que a Prefeitura atue neste caso, porque é responsabilidade do executivo a fiscalização sonora em relação à lei do sossego. Também enviei ofícios a Polícia Militar e Civil, solicitando apoio para a realização de blitz punitivas. Outros ofícios foram encaminhados para a Vara Especializada da Infância e Juventude e Conselho Tutelar, já que existem denúncias de que menores estariam no local ingerindo bebidas alcoólicas, e por fim, enviei ao executivo e ao setor de fiscalização, para que assim eles reconheçam que existe um problema e que precisa ser sanado, porque todos nós vivemos em sociedade e precisamos ser éticos e morais para respeitar o direito do próximo”. Esclarece Luis.

O legislador ressalta ainda, que em relação ao lixo deixado pelas pessoas no local, como forma de conscientização, a sugestão é que se forem pegos jogando lixo em local proibido, como punição, as próprias pessoas que realizem a limpeza.

Existe uma discussão entre o poder executivo, legislativo, e alguns jovens sobre um possível local para se ouvir som alto, mas ainda não houve nenhum projeto apresentado à sociedade.