Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Polícia Civil esclarece roubo em chácara com a identificação dos 7 envolvidos


Um roubo com restrição de liberdade das vítimas, ocorrido em uma chácara na Capital, foi esclarecido pela Polícia Judiciária Civil, através de investigações conduzidas pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Cuiabá. O trabalho realizado pelo Núcleo de Repressão de Roubo à Residência com Restrição de Liberdade da Derf, resultou na identificação de sete pessoas envolvidas no crime.

Entre os identificados nas investigações estão, Leandro de Arruda e Silva e Eduardo Lima de Moraes, que tiveram as ordens de prisão cumpridas no dia 04 de maio e Willian Henrique Salustiano Antunes dos Santos, preso em abril. O quarto envolvido no crime, Davi Dias de Oliveira Porto, está com a prisão decretada e continua foragido.

Dois outros envolvidos no assalto morreram e o menor infrator, G.Y.R.S. teve o procedimento encaminhado para Delegacia Especializada do Adolescente (DEA)

O crime ocorreu por volta das 20 horas, do dia 19 de novebmbro, quando sete criminosos armados invadiram a chácara, no bairro Colina Verde, em Cuiabá. Mediante grave ameaças e restrição de liberdade das vítimas, os assaltantes renderam o casal e subtraíram diversos aparelhos eletrônicos e o veículo Mitsubishi Pajero TR4.

Assim que foi acionado do roubo Núcleo de Repressão de Roubo à Residência com Restrição de Liberdade da Derf, coordenado pelo delegado Fabiano Pitoscia iniciou o trabalho investigativo conseguindo identificar os sete assaltantes envolvidos no crime

Com base nas informações, foi representado pelo mandado de prisão dos suspeitos, sendo Leandro e Eduardo presos pela equipe da Derf no dia 04 de maio. O suspeito Willian Henrique foi preso em abril, logo que foi identificado.

As diligências estão em andamento para prender o quarto integrante do grupo que continua foragido.

Fonte: Assessoria PJC


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Neri Geller, deputado federal eleito, deixa a prisão depois de HC concedido pelo STJ


Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

O deputado eleito, Neri Geller (PP) foi solto no início da noite desta segunda-feira (12), após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatar o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do e ex-ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento no domingo (11). Geller estava preso desde a última sexta-feira (9), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Ao ser solto, o ex-ministro concedeu entrevista à equipe de reportagem da TV Centro América. Ele negou as acusões e disse que não é indiciado, apenas teve o nome citado em uma delação.

“Não fui chamado para depor em nenhum momento das investigações e vou me inteirar das acusações e depois vou manifestar junto à imprensa”, disse.

O deputado eleito disse ainda que algumas pessoas que estão sendo acusadas de corrupção foram desafetos políticos dele durante o tempo em que foi ministro.

As investigações foram baseadas na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB. Foram presos na ação Antônio Andrade (também ex-ministro da Agricultura), Rodrigo Figueiredo (ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, que já conseguiu liberdade), o empresário Joesley Batista e mais 13.

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

A prisão

O ex-ministro foi preso durante a Operação Capitu, por suposto envolvimento em um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura entre 2013 e 2014 e é um desdobramento da Lava Jato.

Neri Geller estava hospedado em um hotel de Rondonópolis porque participaria de um evento agropecuário. Por volta de 6h, três agentes da Polícia Federal (PF) chegaram ao local em carro descaracterizado e o levaram em cumprimento a um mandado de prisão temporária.

Após a prisão, Geller foi levado para a delegacia da PF e, posteriormente, encaminhado para a Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, por não ter nível superior.

Fonte: G1 Mato Grosso