Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

geral

Oncologista alerta que fumantes têm 20 x mais chances de ter câncer de pulmão


O tabagismo está na origem de 90% dos casos de câncer de pulmão entre os homens e 80% entre as mulheres. Os fumantes têm cerca de 20 vezes mais risco de desenvolver a doença e, para piorar, aqueles que não fumam, porém convivem com fumantes, também correm risco de desenvolver a doença.

O alerta é do oncologista clínico Eduardo Dicke e faz parte da campanha de conscientização “Agosto Branco”, desenvolvida pela Clínica de Tratamento Multidisciplinar do Câncer (Oncomed).

Segundo o oncologista, não há como falar em prevenção sem tocar na questão do combate ao tabagismo que é o grande vilão neste tipo de doença, revela o médico. “O profissional pode orientar, mas não tem como obrigar o paciente a parar de fumar, por isso o tratamento contra o tabagismo é multidisciplinar e envolve toda a família e políticas públicas”, ressalta. “O fumante tem que ter consciência de que o fumo prejudica a saúde dele e de quem está a sua volta. Ele precisa querer e dar o primeiro passo para parar de fumar”.

Sempre digo que parar de fumar foi a melhor coisa que fiz por mim e se puder dar um conselho para quem fuma é que pare. Não vale a pena

Ex-fumante

A dona de casa, de 47 anos, que não terá o nome divulgado, conta que fumou por quase 20 anos, deu as primeiras tragadas na juventude, por volta dos 24. Parou de fumar diversas vezes, mas a dependência química e psicológica provocada pelo tabaco a fazia voltar ao vício. “Experimentei e gostei de fumar, e ainda lembro o quanto é gostoso. No entanto, depois de algum tempo me sentia presa e afetada, seja pelas crises de rinite, que aumentaram, falta de ar, seja pelo mau cheiro que impregna no cabelo, mãos e todo o corpo”.

Há 18 anos parou de fumar três meses antes de engravidar, mas voltou oito meses depois do parto. Com a chegada da filha, tentou largar o cigarro por diversas vezes, mas só se viu livre das tragadas há 8 anos. “Sempre digo que parar de fumar foi a melhor coisa que fiz por mim e se puder dar um conselho para quem fuma é que pare. Não vale a pena”.

infográfico câncer de pulmão

Uma das principais formas de prevenir do câncer no pulmão é deixando de fumar. Conheça neste quadro sintomas e formas de tratamento pós diagnóstico

Novos casos

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), o país soma 28.220 novos casos de tumores pulmonares ao ano, questões genéticas e história familiar, exposição à fumaça ambiental e exposição a produtos tóxicos como asbestos e sílica são fatores de risco para a doença, mas a grande maioria dos casos câncer de pulmão é relacionada ao cigarro.

Muitos pacientes apresentam outras enfermidades relacionadas ao tabagismo, como a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) ou enfisema, e a cardiopatia coronariana.

A taxa de mortalidade depende muito do estágio em que o tumor é diagnosticado. Os sintomas do câncer de pulmão são: falta de ar, tosse, sangramento na tosse, infecções respiratórias, dor torácica, nódulos no pescoço. O especialista pondera ainda que qualquer sintoma prolongado, persistente por mais de 15 dias precisa procurar um médico e fazer a avaliação e os exames adequados. “No inverno as infecções respiratórias tendem a aumentar e no caso de fumantes ativos ou passivos há mais chances de surgirem”.

Parar de fumar sempre vale a pena em qualquer momento da vida

Eduardo Dicke, oncologista

Para mudar a realidade atual, a Medicina tem avançado muito nos últimos anos e é por isso que nos pacientes de risco, principalmente os de antecedentes de tabagismo prolongado ou com histórico familiar da doença, o exame de tomografia computadorizada de alta resolução tem sido incluído nos exames de check-up, o que permite a detecção de casos precoces com maior possibilidade de tratamento cirúrgico.

É um órgão difícil, não é simples o diagnóstico, depende de biopsia pulmonar que é um exame complexo, mas necessário. Os tratamentos variam, mas podem incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia com drogas direcionadas e imunoterapia. Novos testes moleculares permitem definir a melhor terapia alvo-específica.

Para aqueles que desejam ajudar um familiar a deixar de fumar, o SUS oferece tratamento gratuito. A Secretaria Estadual ou Municipal de Saúde pode informar o local com o tratamento disponível mais próximo da sua casa. Para ter acesso ao tratamento, basta procurar uma Unidade Básica de Saúde que presta o atendimento, levar a identidade e se inscrever no programa de combate ao tabagismo do SUS.

“Parar de fumar sempre vale a pena em qualquer momento da vida, mesmo que o fumante já esteja com alguma doença causada pelo cigarro, tal como câncer, enfisema ou derrame. Quanto mais cedo for descoberto a doença, mais chances de ter bons resultados no tratamento  e até cura”, reforça Dicke.

O especialista afirma que na última década o tratamento evoluiu muito.Há testes de subtipos, medicação específicas com menos chance de efeitos colaterais, porém o apoio familiar ainda continua sendo primordial. “Como todo tratamento que combate um vício, esse amparo que agrega bem-estar e qualidade de vida ao paciente reduz o índice de insucesso” , aconselha.

Fonte: RDNews


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Brasil

Sisu 2019 abre inscrições nesta terça; tire suas dúvidas e saiba como funciona


Página inicial do Sisu — Foto: Reprodução

Página inicial do Sisu — Foto: Reprodução

O Sistema de Seleção Unificada (Sisu) abriu as inscrições nesta terça-feira (22) aos candidatos que desejam disputar uma vaga nas universidades públicas participantes. Por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), serão selecionados 235.461 estudantes para 129 instituições.

É possível se inscrever até sexta-feira, dia 25.

Abaixo, veja as principais dúvidas sobre o Sisu:

Quem pode participar do Sisu?

Para participar, é necessário ter feito o Enem 2018 e tirado nota acima de zero na redação. Os resultados individuais do exame foram divulgados na última sexta (18) e podem ser consultados na página do participante. Basta digitar o CPF e a senha cadastrada no sistema.

Para que serve o Sisu?

O Sisu oferece 235.461 vagas em diversas universidades públicas. Deixa de ser necessário fazer um vestibular para cada uma – por esse sistema, o candidato usa a nota do Enem para pleitear uma vaga nas 129 instituições de ensino participantes.

Como funciona?

O Sisu é um sistema que usa a nota do Enem para selecionar alunos que desejam estudar em universidades públicas do país. Ele funciona assim:

  • a partir do dia 22 de janeiro, o candidato deve entrar no site do Sisu (http://sisu.mec.gov.br/)
  • na página do sistema, é possível fazer uma busca por universidade, curso ou município. Por exemplo: “odontologia” em “Curitiba”. O sistema exibirá todas as instituições na capital paranaense que dispõem de vagas nessa graduação.
  • o candidato deve escolher duas vagas para disputar e confirmar a inscrição para elas. Atenção: é preciso indicar a ordem de preferência.

Feito isso, o ideal é que o candidato fique atento até sexta-feira, dia 25, quando o sistema fechará as inscrições. É possível mudar as opções de curso no decorrer da semana, com base nas notas de corte parciais que são divulgadas.

O que são essas notas de corte?

O Sisu divulga, uma vez por dia, uma nota de corte parcial para cada modalidade e curso. Ela é uma referência para ajudar o estudante a se inscrever em uma opção na qual realmente tenha chances de aprovação.

Ela é calculada da seguinte forma: supondo que sejam 30 vagas de ampla concorrência no curso de educação física, na universidade X. No primeiro dia, 60 candidatos se inscrevem para essa opção. Entre eles, vão ser aprovados os que tiverem as 30 maiores notas no Enem. Ou seja: a nota de corte será a 30ª mais alta. Exemplo: 642 pontos.

Se, no dia seguinte, alunos com desempenho melhor se inscreverem, esse patamar vai subir. Por isso, é importante ficar atento e selecionar opções em que haja chance real de aprovação. Se a nota do candidato for de 450, dificilmente ele será selecionado em um curso cuja pontuação mínima seja 642. Vale procurar outra opção.

É bom repetir: a nota de corte é só uma referência. Mesmo após a última ser divulgada, na sexta-feira, outros participantes podem se inscrever até o fim do dia – o que muda a nota mínima. Consequentemente, só é possível saber se realmente foi aprovado quando os resultados forem publicados (28/01).

O que acontece se eu passar só na segunda opção?

Se o candidato for selecionado somente na segunda opção de curso, essa será sua única oportunidade de se matricular pelo Sisu. Ele não poderá participar da lista de espera.

O que acontece se eu não passar em nenhuma das opções? Participo da lista de espera?

Caso o candidato não seja aprovado, precisará manifestar interesse em participar da lista de espera. Ele deverá escolher uma das opções de curso para tentar novamente.

Cada universidade disponibilizará um determinado número de vagas com base nas que não foram ocupadas na 1ª chamada.

Por que minha nota do Enem é diferente em cada universidade?

As universidades atribuem um peso à nota de cada prova do Enem. Não basta somar o desempenho em cada componente (ciências da natureza + ciências humanas + linguagens + matemática + redação) e dividir por 5.

Por exemplo: um curso de medicina na faculdade X pode calcular uma média em que a disciplina de ciências da natureza tenha mais importância do que a de linguagens.

O que significa “ampla concorrência”?

São as vagas que não entram no sistema de cotas e de políticas afirmativas em geral.

Como participar das cotas?

Pela Lei de Cotas, todas as universidades participantes do Sisu devem reservar uma parcela das vagas para estudantes que cursaram o ensino médio na rede pública. Dessas, metade será destinada a candidatos com renda familiar mensal por pessoa de até 1,5 salário mínimo.

As instituições têm o direito também de criar ações afirmativas próprias. Podem, por exemplo, dar um bônus na nota de candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.

Mesmo me inscrevendo no Sisu, posso participar do Prouni?

O candidato inscrito no Sisu também pode fazer a inscrição no Programa Universidade para Todos (Prouni), caso atenda aos critérios do programa. Se for aprovado em ambos, deve escolher somente uma opção.

Não é permitido que um aluno do Sisu estude simultaneamente em uma universidade particular pelo Prouni.

Calendário do Sisu 1º semestre de 2019

  • Inscrições: 22/1 a 25/1
  • 1ª chamada: 28/1
  • Matrículas da 1ª chamada: 30/1 a 4/2
  • Inscrição na lista de espera: 28/1 a 4/2
  • Convocações de outras chamadas: a partir de 7/2

Fonte: G1 Mato Grosso