Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

política

“O que me deixaria feliz e satisfeito é que promessas políticas tivessem uma data de validade, um prazo a ser cumprido”. Indaga o vereador Luis Costa


Segundo os professores da Escola Municipal São José, quando o clima está muito quente ou frio, as aulas de educação física são suspensas.  Está situação vem ocorrendo há muitos anos, se levarmos em consideração que a escola existe há 23 anos, é vergonhoso para uma cidade de 70 mil habitantes que tem o um ótimo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). De acordo com dados disponibilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Primavera do Leste em 2013, encontra-se em 0,752, no IDH, ou seja, é considerado com um índice alto, no qual chega a ser maior que do estado de Mato Grosso com 0,725 e o Brasil com 0,727.

Da Redação

Em uma visita a Escola Municipal São José, que fica localizada no Bairro São José, o vereador Luis Costa (PR), ouviu algumas reivindicações dos professores e da direção da unidade escolar, em relação à infraestrutura.

“Eu tenho um carinho muito grande a todos os moradores do Bairro São José, porque foi onde cresci, estudei e comecei a trabalhar. Na visita que fiz ontem (04) aos professores e a direção da escola, fui muito cobrado. Existe uma promessa política de que seria feito uma passagem do Bairro São José a BR-070, para dar acesso mais fácil e seguro à comunidade do bairro e região. Os professores estão cobrando, porque entra gestão e sai gestão, a promessa continua a mesma”. Explica o legislador.

Luis Costa reforça em sua fala que a função do vereador é cobrar, acompanhar os projetos as ações do executivo, mas também é denunciar todas as mazelas que o povo tem passado.

“Outro problema grave apontado pelos professores é a falta de infraestrutura da quadra de esportes. O local não tem cobertura, não tem telas, não tem iluminação adequada, parte do piso está deteriorado, não tem nada. Agora imagina como é ter uma aula de educação física com sol, com a temperatura mais de 30 graus? Ou então vamos imaginar ao contrário, com o vento frio destes últimos dias, com a temperatura lá em baixo? É inadmissível fazer isso com nossas crianças”. Aponta o legislador.

Segundo os professores, quando o clima está muito quente ou frio, as aulas de educação física são suspensas.  Está situação vem ocorrendo há anos, e se levarmos em consideração que a escola existe há 23 anos, é muito vergonhoso para uma cidade de 70 mil habitantes que tem o um ótimo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). De acordo com dados disponibilizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Primavera do Leste em 2013, encontra-se em 0,752, no IDH, ou seja, é considerado com um índice alto, no qual chega a ser maior que do estado de Mato Grosso com 0,725 e o Brasil com 0,727.

“É revoltante ver quantos investimentos temos em pastas menores, e a conversa continua a mesma, e se torna mais uma vez promessa de campanha. Este problema que estou falando não é novidade, vários vereadores que já passaram por esta casa, fizeram indicações para as manutenções na escola e na quadra, mas até agora nada. Às vezes ouvimos e sabemos que algumas escolas em situação de depredação, são do estado e a responsabilidade é do estado, mas enquanto tivermos cidadãos primaverenses precisando de uma educação de qualidade, irei sim lutar. O que me deixaria feliz e satisfeito é que promessas políticas tivessem uma data de validade, um prazo a ser cumprido”. Questiona Luis Costa.

O legislador explica que a comunidade, sendo pais e alunos criam expectativas em torno das promessas políticas, e com o passar do tempo, ficam desacreditados, já que nunca há um retorno.

“Eu disse na semana passada e reforço, que precisamos manter nossa base, que é a educação e saúde. Precisamos de uma escola de qualidade, com as reformas necessárias, adequações, com uma quadra coberta e digna, porque esses serviços são essenciais, para a formação social, econômica e política do ser humano. Eu continuarei lutando pela escola São José, e tantas outras que necessitarem de serviços públicos”. Conclui.


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Brasil

Atirador de Campinas já criticou Igreja, foi galã e enfrentou depressão


Euler Fernando Grandolpho, 49, abriu fogo dentro de igreja, matou quatro pessoas e se suicidou

Um homem de família católica e que sofria havia vários anos com depressão. Assim o atirador que matou quatro pessoas e feriu outras duas a tiros antes de se suicidar em Campinas nesta terça-feira (11) é descrito por amigos e familiares.

Na juventude, Euler Fernando Grandolpho, 49, criticava a atuação do pai na Igreja Católica, mas seguia valores conservadores. Era tido pelo grupo de amigos como um “cara cabeça”, “um jovem de beleza estupenda, muito inteligente”, segundo contou à reportagem uma ex-namorada, que conviveu com ele dos anos 1980 ao início dos anos 2000.

Euler, que não trabalhava desde 2014, morava com seu pai em um condomínio de classe média em Valinhos, cidade próxima de Campinas. A mãe dele morreu anos atrás.

Nesta terça (11), a Polícia Civil apreendeu papeis, documentos, cartas e um notebook na casa. O delegado José Henrique Ventura diz que familiares descreveram Euler como uma pessoa retraída, de pouca conversa. Eles disseram não ter conhecimento que ele tivesse arma.

Notícias ao Minuto© Fornecido por New adVentures, Lda. Notícias ao Minuto

“Houve algum problema com ele, com certeza, porque ele não tinha nada de criminoso”, disse à reportagem o primo Ricardo Barão, 40, apesar do  pouco contato com Euler ultimamente. “Desde a última vez que tive contato, anos atrás, tinha essa questão de depressão. Ele passou por tratamento médico e tudo”, afirmou.

No condomínio onde Euler morava, o acesso à imprensa é restrito. Porteiros dizem que, abalada, a família se assustou com a presença de jornalistas.

Do lado de fora, alguns vizinhos afirmaram que Euler costumava ser visto passeando com um cachorro pela rua e uma irmã dele também era vista com frequência.

O pai do atirador, Eder Grandolpho, aparentava estar debilitado após a morte da esposa, de acordo com vizinhos. Ele era frequentador assíduo da Igreja Católica. Em um post no Facebook, escreveu que era ministro de eucaristia na paróquia Santo Cura D’Ars, em Campinas, há dez anos.

Euler era pouco assíduo nas redes sociais -sua página no Facebook tem só oito amigos. Até 2014, ele trabalhou como auxiliar de promotoria no Ministério Público de São Paulo.

A escrevente Rita Franco, 46, diz que ficou surpresa ao perceber que o atirador da catedral era o Euler com quem namorou na juventude. Ela conta que ele cresceu em uma família de classe média, “bem estruturada”, no bairro fabril Swift, na zona sul de Campinas -a 5 km de Valinhos. Passou para o concorrido Cotuca, o colégio técnico da Unicamp, e depois se formou publicitário na Unip (Universidade Paulista).

À época, fazia sucesso com as mulheres, diz Rita. “Era mais encorpado, com olhos azuis, chamava a atenção. Dizíamos que era o Christopher Reeve [o ator de Super-Homem]”, afirmou à reportagem.

Ela se surpreendeu ao ver a nova fisionomia de Euler e “como está magro, devia estar passando por problemas, talvez de depressão”.

Rita disse que o único ponto fora da curva no comportamento de Euler era que ele externava ódio pela Igreja Católica. Isso porque o pai, cristão fervoroso, passava muito tempo na igreja, fazendo trabalho voluntário.

“Ele dizia que o pai ficava sendo enfiado dentro da igreja ‘ajudando pobre’, que ‘dentro de casa não varre um chão'”.

Embora demonstrasse ódio pela religião, Rita diz que nunca achou que Euler “fosse atingir essa dimensão, não sei o que aconteceu nesse meio tempo” –a última vez em que o viu foi em 2004.

Euler, segundo ela, era de opiniões fortes e seguia à risca valores conservadores. À exemplo da contrariedade do uso de drogas –chegava a cortar relações com quem mantivesse o hábito. Segundo Rita, o ex-namorado já chegou a manifestar posições racistas. “Ele dizia ‘odeio aquela negra que gosta de mim’, em relação a uma menina, morena, de cabelos cacheados”, afirma. Com informações da Folhapress.

.


HOME / NOTÍCIAS

Brasil

Campinas decreta luto de três dias e prepara velório das vítimas


O clima em Campinas, a 98 quilômetros de São Paulo, é de consternação e perplexidade, depois da tragédia na Catedral Metropolitana da cidade em que cinco pessoas morreram. O prefeito Jonas Donizette (PSB) decretou nessa terça-feira (11) luto oficial de três dias. A expectativa é que os velórios das vítimas ocorram a partir desta quarta-feira (12).

Foi confirmada a identidade das vítimas do atirador: Sidnei Vitor Monteiro, José Eudes Gonzaga, Cristofer Gonçalves dos Santos e Elpídio Alves Coutinho, mortos dentro da igreja.

Euler Fernando Grandolpho, de 49 anos, autor dos disparos, tirou a própria vida depois balear os fiéis que estavam rezando na igreja.

Registros das câmeras de segurança da Central de Monitoramento de Campinas (CinCamp) mostram o momento em que o agressor se levanta de um dos bancos, nas últimas fileiras da igreja, vira-se em direção às pessoas e começa a atirar. Em seguida, dois agentes da Guarda Municipal entram na igreja e perseguem o atirador. As imagens não mostram depois deste momento.

Tiroteio na Igreja da Sé em Campinas
Atirador mata quatro pessoas em Catedral de Campinas – EFE/Cortesia Diario Correio/Direitos reservados

Isolamento

A Catedral Metropolitana de Campinas está cercada por um cordão de isolamento. Os funcionários da prefeitura trabalharam para limpar o local e permitir que hoje (12) a igreja seja aberta para missas.

O local é um dos mais movimentados de Campinas, fica ao lado do calçadão e da principal rua de comércio.

Tiroteio na catedral metropolitana de Campinas
Catedral metropolitana de Campinas – Cortesia Diario Correio/EFE/direitos reservados

O departamento de Serviços Técnicos Gerais (Setec) é o órgão responsável pela organização dos velórios e sepultamentos em Campinas. Como a cidade é referência para vários municípios menores do interior de São Paulo, há cemitérios privados e públicos.

Fonte: Agência Brasil