Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

A Palavra - Opinião

Nossos jovens de hoje, como será nosso futuro?


Com A Palavra / Luis Costa

As noites de Primavera é comum encontrar jovens adolescentes consumindo bebida alcoólica, narguilé e até consumo de drogas ilícitas é denunciado

As ruas e avenidas de Primavera do Leste nas noites e principalmente aos finais de semanas se transformam em local de campeonatos de som, pista de corrida, resultando no dia seguinte em postes caídos, mortes de inocentes como a fatalidade do dia 01 de outubro do pequeno João, vítima de um jovem que pilotava sua motocicleta sobre efeito de álcool na Avenida dos Lagos, o acusado Jocemar Batista França, foi preso e foi solto semanas após o ocorrido.

Avenida Porto Alegre com uma grande concentração de bares bem como Avenida Belo Horizonte se destacam em serem point dos jovens que usam os canteiros central e em frente aos comércios, no dia seguinte as calçadas amanhecem só o lixo.

Um dos jovens convoca os outros a “tocar o terror na avenida”

Um dos jovens convoca os outros a “tocar o terror na avenida”

Alguns que frequentam este locais mostraram toda ignorância que estão vivendo com comentários contendo palavrões, planejando motins para tumultuar ainda mais as noites do primaverense que precisa de ir e vir, principalmente os que carecem utilizar as farmácias de plantões que estão no local e ficam impedidos. As autoridades responsáveis pelo trânsito, fiscalização precisam agir urgente, pois os roles dos jovens delinquentes custa caro para o município, a quantidade de jovens internados nos leitos dos hospitais até na UTI, com dinheiro do SUS é enorme.

Uma ação envolvendo todas as forças de segurança no município se faz necessário, os jovens precisam de um espaço para ouvir som e se divertir, perfeito vamos buscar este espaço, local este que teremos que continuar com os olhos voltados, pois praticar esporte no local apropriado sem uso de álcool e drogas tudo bem, mas me respondam os jovens que estão parados hoje no canteiro no futuro no espaço criado para isto vão voltar para casa empurrando seus veículos? Creio que não, por isso as blitz da Lei Seca envolvendo todas as forças de segurança, puxadas pelo executivo se faz necessário.

Manobras radicais com veículos devidamente cadastrados, equipe de médicos acompanhado, polícia ou segurança, isto sim é esporte, agora consumir bebidas e saírem fazendo loucuras pelas nossas ruas, isto é crime e tem que ser punido, bem como o som que incomoda os moradores, sem falar ainda no cheiro de urina, pois utilizam as arvores para   suas necessidades.

O linguajar e ideias dos nossos jovens primaverenses causa espanto veja alguns comentários.

           

Assista o vídeo.

https://www.facebook.com/luiscostamt/videos/1926314121029528/?hc_ref=ARRSsgCizW3qfaRVNGTJ6ikQNeD1XVsi4YFb4nrwawq8rwFho1I99FyZcBhe1E-XFhA


COMENTÁRIOS

1 Comentário

  1. Olha sinceramente que site de notícias de merda esse de vocês, bem possível ser um velho que coordena ou uma pessoa sem vida social.
    E outra vocês publicaram nomes tanto em prints quanto em nomes referente ao acidente as nomes tanto da vítima quando do rapaz não pode ser divulgados. Pra isso exite leis e seu site não está respeitando.
    Por gentileza procurem trabalhar respeitando a sociedade. Ninguém cresce sendo assim.

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Brasil

União Europeia embarga 20 frigoríficos de frango do Brasil


A União Europeia (UE) anunciou nesta quinta-feira (18) que vai descredenciar 20 plantas exportadoras da lista de empresas brasileiras autorizadas a vender carne de frango e outros produtos para os países que compõem o bloco econômico formado por 28 países. A informação foi confirmada pela Agência EFE. Ao todo, unidades de nove empresas serão afetadas, de acordo com a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

A medida foi tomada depois da detecção de deficiências no sistema de controle do Brasil sobre esses frigoríficos. A restrição será aplicada 15 dias depois da publicação no Diário Oficial da UE, o que ainda não ocorreu.

Ao tomar conhecimento da decisão, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que cumpre agenda em Campo Mourão (PR), afirmou que o governo federal vai abrir painel na Organização Mundial do Comércio (OMC) para recorrer da medida. “Nossa reclamação é que a Comunidade Europeia diz que é uma questão de saúde, mas se o Brasil pagar uma tarifa de 1.024 euros por tonelada e mandar tudo como carne in natura, entra sem nenhum problema. Então não é uma questão de saúde. E é isso que nós vamos reclamar na OMC”, explicou, segundo nota do Ministério da Agricultura.

O painel na OMC, de acordo com o ministro, servirá para dirimir o protecionismo de mercado pelo bloco europeu. “Estamos sendo penalizados. Há uma proteção de mercado que a gente não quer mais aceitar. Vamos brigar pelo espaço conforme o mercado mundial preconiza, que deve ser livre entre os países.”

O impacto da medida é considerável. De acordo com informações da ABPA, também confirmadas por Blairo Maggi, as unidades afetadas pelo embargo respondem por cerca de 30% a 35% da produção de frangos exportada para a União Europeia. A associação, que reúne as principais empresas produtoras de proteína animal do país, divulgou nota em que considera a decisão tomada pelos estados europeus como “infundada” e uma “medida protecionista que não se ampara em riscos sanitários ou de saúde pública”.

“A decisão tomada hoje pela Comunidade Europeia é desproporcional e inconsistente diante das regras estabelecidas pelo Acordo de Medidas Sanitárias e Fitossanitárias da Organização Mundial do Comércio (OMC)”, diz um trecho da nota da ABPA.

O Brasil é o segundo maior produtor de carne de frango do planeta, perdendo apenas para os Estados Unidos, mas ocupa a primeira posição entre os maiores exportadores do produto, com mais de 4,3 milhões de toneladas embarcadas e receitas anuais de US$ 7,2 bilhões, segundo a ABPA. A União Europeia é responsável por 7,3% do frango vendido pelo país ao exterior, em toneladas, e corresponde a uma receita total de US$ 775 milhões (11% do total), segundo dados de 2017.

Fim da suspensão

Em março, o próprio Ministério da Agricultura chegou a suspender as exportações de três frigoríficos da BRF Foods com destino à Europa e outros países, em decorrência da investigação da Operação Trapaça, que identificou contaminação da carne in natura pela bactéria Salmonella. A medida, no entanto, foi retirada ontem após os esclarecimentos do grupo quanto aos procedimentos sanitários adotados no prcessamento do produto para exportação. A principal empresa brasileira exportadora de frango é a BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, seguida pela JBS.

*Com informações da EFE.

Por Pedro Rafael Vilela – Repórter da Agência Brasil  Brasília