Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

geral - política

Neste dia de Consciência Negra vereador Luis Costa recorda as vezes que já foi alvo de preconceito racial


Da Redação

Nas últimas semanas, um vídeo  que circulou nas redes sociais,  em que aparece o jornalista da TV Globo, William Waack, fazendo comentários racistas, terminou no afastamento do jornalista. As imagens do vídeo são de 2016, minutos antes de entrar ao vivo ao lado do entrevistado Paulo Sotero, em que, um carro que estava buzinando na rua, passou próximo ao local que foi estava montado o link ao vivo. No momento do barulho na rua, o jornalista William Waack diz: “coisa de preto”. Depois de reclamar das buzinadas, o apresentar virando para o convidado diz “Você é um, não vou nem falar, eu sem querer é…é preto”.

Esse ato de racismo foi praticado por um jornalista que é uma pessoa pública de um dos maiores veículos de comunicação do Brasil. Se tornou público recentemente, agora imagina quantos casos, de pessoas que não são públicas que desconhecemos.

Em Primavera do Leste, o vereador Luis Costa (PR), na última sessão, também desabafou, porque inúmeras vezes já foi vítima de preconceito racial. “Eu deixo meu repúdio a fala do jornalista Wiiliam Waack, quando ele diz “coisa de preto”, foi o mínimo a TV Globo ter afastado ele de seu cargo. E eu acho que ele tem que responder processo sim. Eu já recebi vários ataques preconceituosos, e recentemente o último, a pessoa disse para mim “o raiva que tenho da princesa Isabel”. Veja quanto preconceito, quanto ódio com o próximo. Hoje eu estou vereador, sou jornalista, se não fosse à luta de milhões de pessoas não estaria aqui hoje”.

Luis Costa ainda ressalta que tem colegas de trabalho que também são da mesma cor dele, como o vereador Juarez, a vereadora Carmem. “É triste de ver que ainda hoje existe racismo. Eu já tenho três ações crime por sofrer preconceito racial. O incrível é que quando chego a delegacia para registrar o Boletim de Ocorrência, as pessoas dizem para mim, não liga para isso não, deixa pra lá, você é uma pessoa mais inteligente que eles, porém eu registro sim, eu denuncio, não podemos nós calar, porque a luta não acabou, e se hoje existe a liberdade é porque muitas pessoas tiveram a coragem de denunciar o preconceito e a hipocrisia praticada por algumas pessoas. Neste dia 20 de novembro dia da consciência negra, vamos somar as forças e continuar a caminhada, vamos denunciar sim o preconceito, e não vamos nos calar, porque os opressores existem, e muitos deles, tem até a nossa cor de pele”. Finaliza o vereador Luis Costa.


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Neri Geller, deputado federal eleito, deixa a prisão depois de HC concedido pelo STJ


Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

O deputado eleito, Neri Geller (PP) foi solto no início da noite desta segunda-feira (12), após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatar o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do e ex-ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento no domingo (11). Geller estava preso desde a última sexta-feira (9), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Ao ser solto, o ex-ministro concedeu entrevista à equipe de reportagem da TV Centro América. Ele negou as acusões e disse que não é indiciado, apenas teve o nome citado em uma delação.

“Não fui chamado para depor em nenhum momento das investigações e vou me inteirar das acusações e depois vou manifestar junto à imprensa”, disse.

O deputado eleito disse ainda que algumas pessoas que estão sendo acusadas de corrupção foram desafetos políticos dele durante o tempo em que foi ministro.

As investigações foram baseadas na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB. Foram presos na ação Antônio Andrade (também ex-ministro da Agricultura), Rodrigo Figueiredo (ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, que já conseguiu liberdade), o empresário Joesley Batista e mais 13.

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

A prisão

O ex-ministro foi preso durante a Operação Capitu, por suposto envolvimento em um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura entre 2013 e 2014 e é um desdobramento da Lava Jato.

Neri Geller estava hospedado em um hotel de Rondonópolis porque participaria de um evento agropecuário. Por volta de 6h, três agentes da Polícia Federal (PF) chegaram ao local em carro descaracterizado e o levaram em cumprimento a um mandado de prisão temporária.

Após a prisão, Geller foi levado para a delegacia da PF e, posteriormente, encaminhado para a Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, por não ter nível superior.

Fonte: G1 Mato Grosso