Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Região

Motociclista morre ao ser atingido por carro e veículo capota em avenida


Um motociclista morreu na noite dessa segunda-feira (9) após um acidente na Avenida Arquimedes Pereira Lima (conhecida como Estrada do Moinho), em Cuiabá.

Segundo a Delegacia Especializada em Delitos de Trânsito (Deletran), o acidente matou Ronaldo Alves de Souza, de 38 anos.

O carro colidiu a moto, modelo Fan, conduzida por Ronaldo Alves de Souza, de 38 anos, que morreu no local (Foto: Deletran)

O carro colidiu a moto, modelo Fan, conduzida por Ronaldo Alves de Souza, de 38 anos, que morreu no local (Foto: Deletran)

O acidente ocorreu às 19h30 na região do Bairro Altos do Coxipó. A batida envolveu um Sandero. O veículo era conduzido por Rafael Silva. O acidente ocorreu no sentido Bairro Tijucal/Centro de Cuiabá.

Ronaldo Alves de Souza (Foto: Deletran Cuiabá)

Ronaldo Alves de Souza (Foto: Deletran Cuiabá)

O carro colidiu a moto, modelo Fan, conduzida por Ronaldo Alves de Souza, de 38 anos. O motociclista teve uma perna amputada no acidente e morreu no local. O automóvel capotou várias vezes. Equipes dos bombeiros e médicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram ao local, mas constataram a morte da vítima.

Motociclista morre ao ser atingido por carro e veículo capota em avenida de Cuiabá (Foto: Deletran)

Motociclista morre ao ser atingido por carro e veículo capota em avenida de Cuiabá (Foto: Deletran)

O motorista do carro foi submetido ao teste do bafômetro, que não apontou nenhum teor de álcool no sangue.

Rafael disse em entrevista à TV Centro América que o motociclista teria mudado de pista passando por cima do canteiro. Ele afirmou que não conseguiu frear e bateu o carro, capotando várias vezes em seguida.

A versão do motorista será apurada pela Deletran.

Fonte: G1 Mato Grosso


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Rosa Weber toma posse na presidência do TSE


A ministra Rosa Weber toma posse hoje (14), às 20h, no cargo de presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em sessão solene no plenário da Corte. A solenidade será transmitida ao vivo pela TV Justiça e pelo canal do TSE no YouTube.

Rosa Weber será a segunda mulher a presidir o TSE em mais de 70 anos de criação do tribunal. A primeira foi Cármen Lúcia, em 2012. O primeiro desafio da ministra será a organização das eleições de outubro, que serão realizadas no dia 7.

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, durante a segunda e última audiência pública sobre descriminalização do aborto.
A ministra do STF Rosa Weber (Marcelo Camargo/Arquivo Agência Brasil)

Rosa Weber, que é ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), já ocupa a vice-presidência do tribunal e vai suceder a Luiz Fux, que concluiu período máximo de dois anos no cargo. O mandato irá até agosto de 2020.

Na mesma sessão, serão empossados os ministros Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF),  e Jorge Mussi, do Superior Tribunal de Justiça. Barroso assume como vice-presidente do TSE e Mussi será corregedor-geral da Justiça Eleitoral.

O TSE é formado por sete ministros, dos quais três são do STF, sendo um o presidente da Corte. Dois ministros são do STJ, um dos quais é o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, e dois juristas que representam os advogados e são nomeados pelo presidente da República.

Nas eleições de outubro, caberá ao tribunal, além de organizar o pleito, deferir os registros de candidatura de candidatos à Presidência da República e todos os recursos que os envolvem.

Histórico

A ministra nasceu em Porto Alegre e fez carreira como magistrada da Justiça do Trabalho no Rio Grande do Sul. Antes de ser nomeada para o STF em 2011, Rosa ocupava o cargo de ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), foi juíza do Trabalho no período de 1981 a 1991, integrou o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS) de 1991 a 2006. Rosa Weber assumiu a presidência do TRT da 4ª Região de 2001 a 2003.

Fonte: Agência Brasil