Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

A Palavra - Opinião

Eu amo Primavera, ou melhor não tanto assim


Opinião / Com A Palavra

O projeto colocado em pratica pelo prefeito Leonardo Bortolin em Primavera do Leste dando uma nova roupagem nas ruas e avenidas do município, tem embelezado com muitas flores nossos bairros, despertando o amor dos primaverenses.
Amor esse não praticado quanto o assunto é política para o coletivo da cidade, isso foi a atitude que o prefeito demonstrou nas ultimas eleições, apoiando diversos candidatos até mesmo de fora de Primavera.
Um projeto para o bem da cidade foi traçado logo após as eleições de 2016, pois na época todos sabiam que Getulio Viana havia ganhado mais não iria levar, com isso quem ficasse eleito presidente da Câmara de Vereadores, automaticamente seria o prefeito e naquele momento o grupo escolheu Léo para ser presidente/prefeito com um acordo de cavalheiros de quando chegasse as eleições de 2018, este mesmo grupo apoiariam um nome para deputado estadual de Primavera do Leste, com isso uniria forças com chances reais de fazer um deputado primaverense para lutar pelos interesses do povo de Primavera, o nome que foi colocado na época foi o do vereador Luis Costa, que deixou de formar a mesa com grupo dos Vianas acreditando na palavras do jovem prodígio e seu grupo de apoiadores. Há o tempo, o tempo revela as pessoas, aliás não só o tempo, mais também o poder.
Eleições chegaram e quem tinha a palavra empenhada de parceria se torna inimigo ou adversário tentando a todo custo fazer o candidato Miley e Janaina Riva, trabalhando muito mias para Janaina do que para Miley, o prefeito de manhã pedia para Miley a tarde para Janaina e assim foi à campanha, uma irresponsabilidade da maior autoridade política no momento em Primavera, olhou para interesses próprios não somente ele, porém varias autoridades do município que não tiveram um posicionamento pelo povo e sim dos interesses próprios, se esquecendo completamente para serve a política, que ao meu ver é para cuidar dos interesses do nosso povo sem ser situação ou oposição, mais sim procurar o melhor para nossa gente, aguardamos agora a próxima rsrsrrs é esta um pouco longe só em 2022. Só nos resta torcer para que os ganhadores lutem também por Primavera do Leste. Quem sabe até 2022 o amor ultrapasse as florzinhas dos canteiros e se transforme em um sentimento de amor ao próximo, lutando por políticas publicas que funcionem e resolva o problemas do nosso povo.


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Neri Geller, deputado federal eleito, deixa a prisão depois de HC concedido pelo STJ


Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

O deputado eleito, Neri Geller (PP) foi solto no início da noite desta segunda-feira (12), após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatar o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do e ex-ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento no domingo (11). Geller estava preso desde a última sexta-feira (9), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Ao ser solto, o ex-ministro concedeu entrevista à equipe de reportagem da TV Centro América. Ele negou as acusões e disse que não é indiciado, apenas teve o nome citado em uma delação.

“Não fui chamado para depor em nenhum momento das investigações e vou me inteirar das acusações e depois vou manifestar junto à imprensa”, disse.

O deputado eleito disse ainda que algumas pessoas que estão sendo acusadas de corrupção foram desafetos políticos dele durante o tempo em que foi ministro.

As investigações foram baseadas na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB. Foram presos na ação Antônio Andrade (também ex-ministro da Agricultura), Rodrigo Figueiredo (ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, que já conseguiu liberdade), o empresário Joesley Batista e mais 13.

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

A prisão

O ex-ministro foi preso durante a Operação Capitu, por suposto envolvimento em um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura entre 2013 e 2014 e é um desdobramento da Lava Jato.

Neri Geller estava hospedado em um hotel de Rondonópolis porque participaria de um evento agropecuário. Por volta de 6h, três agentes da Polícia Federal (PF) chegaram ao local em carro descaracterizado e o levaram em cumprimento a um mandado de prisão temporária.

Após a prisão, Geller foi levado para a delegacia da PF e, posteriormente, encaminhado para a Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, por não ter nível superior.

Fonte: G1 Mato Grosso