Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

geral

Cuiabá tem ato em homenagem à vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio


Militantes do PSOL e representantes de movimentos organizados participam, nesta quinta-feira (15), de um ato simbólico na Praça da República, no Centro de Cuiabá, em homenagem à vereadora do partido, Marielle Franco, assassinada no Centro do Rio de Janeiro na quarta-feira (14). O motorista Anderson Pedro Gomes, que dirigia o carro em que a parlamentar estava, também foi assassinado.

A Polícia Militar não acompanha o ato e os organizadores não deram estimativa de público.

O ato teve início às 18 horas [19horas no horário de Brasília] e, no local, dezenas de pessoas cantaram a música “O Bêbado e a Equilibrista”, interpretada pela cantora Elis Regina, canção símbolo da resistência na época da Ditadura Militar.

O movimento conta com leitura de poesias e declamação de letras de músicas e os participantes pedem justiça, carregando cartazes que dizem “Marielle segue viva em luta” e “nenhuma vida a menos”.

“Estamos aqui para deixar claro que as mortes da Marielle e do Anderson não serão esquecidas. Nos incomodamos com o rumo que o nosso país está tomando. Estamos aqui também para lutar contra o extermínio do povo negro e da democracia”, disse Nayana Marinho, militante do PSOL.

Fonte: G1 Mato Grosso


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Neri Geller, deputado federal eleito, deixa a prisão depois de HC concedido pelo STJ


Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

O deputado eleito, Neri Geller (PP) foi solto no início da noite desta segunda-feira (12), após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatar o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do e ex-ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento no domingo (11). Geller estava preso desde a última sexta-feira (9), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Ao ser solto, o ex-ministro concedeu entrevista à equipe de reportagem da TV Centro América. Ele negou as acusões e disse que não é indiciado, apenas teve o nome citado em uma delação.

“Não fui chamado para depor em nenhum momento das investigações e vou me inteirar das acusações e depois vou manifestar junto à imprensa”, disse.

O deputado eleito disse ainda que algumas pessoas que estão sendo acusadas de corrupção foram desafetos políticos dele durante o tempo em que foi ministro.

As investigações foram baseadas na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB. Foram presos na ação Antônio Andrade (também ex-ministro da Agricultura), Rodrigo Figueiredo (ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, que já conseguiu liberdade), o empresário Joesley Batista e mais 13.

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

A prisão

O ex-ministro foi preso durante a Operação Capitu, por suposto envolvimento em um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura entre 2013 e 2014 e é um desdobramento da Lava Jato.

Neri Geller estava hospedado em um hotel de Rondonópolis porque participaria de um evento agropecuário. Por volta de 6h, três agentes da Polícia Federal (PF) chegaram ao local em carro descaracterizado e o levaram em cumprimento a um mandado de prisão temporária.

Após a prisão, Geller foi levado para a delegacia da PF e, posteriormente, encaminhado para a Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, por não ter nível superior.

Fonte: G1 Mato Grosso