Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Polícia

Criminosos explodem agência e mantêm reféns


Bandidos armados invadiram a agência do Banco Sicredi na madrugada desta segunda-feira (3), em Lambari do Oeste (339 km a oeste de Cuiabá), explodiram os caixas e levaram R$ 250 mil.

De acordo com informações da Polícia Militar (PM), 6 bandidos entraram no local e depois explodiram a unidade por volta das 2h.

Ao ouvir o barulho da explosão, os moradores saíram de casa para ver o que estava acontecendo e acabaram rendidos pelos bandidos.

Um dos suspeitos deu atirou. Ao abrir a janela, as vítimas foram rendidas e levadas.

Os reféns foram liberados na saída da cidade.

Para dificultar a chegada da viatura vários pregos foram jogados na rodovia pela quadrilha.

Até a publicação desta matéria, nenhum suspeito foi preso ou identificado.

O caso será apurado pela Polícia Civil.

Nota à imprensa:

Em relação ao roubo à agência em Lambari D’Oeste (a 317 km de Cuiabá), ocorrido na madrugada desta segunda-feira (3), o Sicredi informa que os criminosos entraram na agência e explodiram caixas eletrônicos. Ainda não há confirmação de que eles tenham conseguido acessar o cofre e levar algum valor. A Polícia Militar e a Polícia Civil e Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) foram acionadas e estão no local.

Durante a ação, 4 pessoas foram feitas reféns pelos criminosos, sendo que duas delas foram liberadas próximo à agência e outras duas na saída da cidade. Devido à ocorrência, a previsão inicial é que a agência fique fechada esta semana para que os reparos sejam feitos.

Aos associados que precisarem realizar alguma operação em agência, o Sicredi sugere que sejam procuradas as agências de Rio Branco e de Salto do Céu, que ficam a 16,7 km e 31,6 km, respectivamente, de Lambari D’Oeste. A instituição financeira cooperativa também orienta os associados a utilizarem os canais de atendimento digitais, como Sicredi Mobi e Sicredi Internet.

O Sicredi reforça que investe continuamente em segurança com o objetivo de proteger as pessoas, o patrimônio e para atender as necessidades dos seus associados e da comunidade onde atua.

Gazeta Digital


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Neri Geller, deputado federal eleito, deixa a prisão depois de HC concedido pelo STJ


Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

O deputado eleito, Neri Geller (PP) foi solto no início da noite desta segunda-feira (12), após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatar o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do e ex-ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento no domingo (11). Geller estava preso desde a última sexta-feira (9), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Ao ser solto, o ex-ministro concedeu entrevista à equipe de reportagem da TV Centro América. Ele negou as acusões e disse que não é indiciado, apenas teve o nome citado em uma delação.

“Não fui chamado para depor em nenhum momento das investigações e vou me inteirar das acusações e depois vou manifestar junto à imprensa”, disse.

O deputado eleito disse ainda que algumas pessoas que estão sendo acusadas de corrupção foram desafetos políticos dele durante o tempo em que foi ministro.

As investigações foram baseadas na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB. Foram presos na ação Antônio Andrade (também ex-ministro da Agricultura), Rodrigo Figueiredo (ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, que já conseguiu liberdade), o empresário Joesley Batista e mais 13.

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

A prisão

O ex-ministro foi preso durante a Operação Capitu, por suposto envolvimento em um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura entre 2013 e 2014 e é um desdobramento da Lava Jato.

Neri Geller estava hospedado em um hotel de Rondonópolis porque participaria de um evento agropecuário. Por volta de 6h, três agentes da Polícia Federal (PF) chegaram ao local em carro descaracterizado e o levaram em cumprimento a um mandado de prisão temporária.

Após a prisão, Geller foi levado para a delegacia da PF e, posteriormente, encaminhado para a Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, por não ter nível superior.

Fonte: G1 Mato Grosso