Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

cidade

Comitiva de Vereadores, Secretários e Prefeito, realizaram visita técnica em assentamentos na região das Furnas


A visita técnica foi um compromisso que os vereadores junto com o  prefeito fez com os moradores, para ouvir as demandas por infraestrutura e regularização fundiária.

Os secretários de Obras, e de Agricultura e Meio Ambiente, estiveram presentes para acertar projetos de recuperação de ruas mais críticas dos assentamentos. Atualmente a prefeitura já tem atendido os pedidos dos moradores por meio de indicação dos vereadores, para a manutenção das estradas, principalmente as que circulam o transporte escolar.

No entanto, por causa da situação judicial, de que a região dos assentamentos, pertencia a Poxoreú, e por meio de uma liminar, que agora passou a pertencer  para o município de Primavera do Leste, alguns projetos ainda não são possíveis a execução, porque a prefeitura precisa receber uma notificação oficial de que a região está sob a responsabilidade do município,  para expandir, de forma legal, o atendimento as reivindicações.

Léo Bortolin já solicitou da secretaria de Meio Ambiente um diagnóstico real das cascalheiras que estão habilitadas à fornecer cascalho, para um trabalho de manutenção permanente nas estradas. “Não podemos trabalhar de maneira irregular, por isso queremos a forma legal para atender a comunidade”. Mesmo com todas as dificuldades, o secretário de Obras, Eduardo Wolf, reafirmou que “a Prefeitura tem mantido a rota do transporte escolar em condições transitáveis”.

Participaram da visita técnica, os vereadores, Juarez Barbosa (PDT), Iva Viana (PDT), Carmem Betti Borges (PSC) ,Carlos Instrutor (PSD), Luis Costa (PR) e  Miley Alves (PV), também os secretários municipais de Meio Ambiente Carlos Donin e Eduardo Wolf, além do Prefeito Leo Bortolin (MDB).

 

Da Redação com Assessoria


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Neri Geller, deputado federal eleito, deixa a prisão depois de HC concedido pelo STJ


Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

O deputado eleito, Neri Geller (PP) foi solto no início da noite desta segunda-feira (12), após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatar o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do e ex-ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento no domingo (11). Geller estava preso desde a última sexta-feira (9), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Ao ser solto, o ex-ministro concedeu entrevista à equipe de reportagem da TV Centro América. Ele negou as acusões e disse que não é indiciado, apenas teve o nome citado em uma delação.

“Não fui chamado para depor em nenhum momento das investigações e vou me inteirar das acusações e depois vou manifestar junto à imprensa”, disse.

O deputado eleito disse ainda que algumas pessoas que estão sendo acusadas de corrupção foram desafetos políticos dele durante o tempo em que foi ministro.

As investigações foram baseadas na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB. Foram presos na ação Antônio Andrade (também ex-ministro da Agricultura), Rodrigo Figueiredo (ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, que já conseguiu liberdade), o empresário Joesley Batista e mais 13.

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

A prisão

O ex-ministro foi preso durante a Operação Capitu, por suposto envolvimento em um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura entre 2013 e 2014 e é um desdobramento da Lava Jato.

Neri Geller estava hospedado em um hotel de Rondonópolis porque participaria de um evento agropecuário. Por volta de 6h, três agentes da Polícia Federal (PF) chegaram ao local em carro descaracterizado e o levaram em cumprimento a um mandado de prisão temporária.

Após a prisão, Geller foi levado para a delegacia da PF e, posteriormente, encaminhado para a Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, por não ter nível superior.

Fonte: G1 Mato Grosso