Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

A Palavra - política

Bolsonaro aceita convite e confirma presença no 36º Congresso Gideões Missionários


Um grupo de pastores que viajou a Brasília fez um convite, em nome do pastor Reuel Bernardino, ao deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) para que o presidenciável visite a 36ª edição do Congresso Gideões Missionários da Última Hora.

O evento pentecostal será realizado entre os dias 21 a 30 de abril, na cidade de Balneário Camboriú (SC), com a presença de pastores, cantores e fiéis de todo o Brasil.

Após receber os pastores que estiveram em Brasília, o deputado aceitou gravar um vídeo em agradecimento à visita e ao convite para visitar o Congresso Gideões Missionários: “Se Deus quiser estaremos presente. Para mim é motivo de orgulho e satisfação”, afirmou Bolsonaro.

No meio cristão, Bolsonaro vem recebendo forte apoio por sua postura conservadora, e empenho em pautas como a defesa da família, defesa da vida e contra a descriminalização do aborto e das drogas, oposição à ideologia de gênero e doutrinação infantil nas escolas, além de enfatizar o compromisso com o combate à corrupção.

Polêmico, Jair Bolsonaro costuma causar bastante comoção com suas declarações. Ao longo deste ano, vem preferindo não se envolver em polêmica, e evitou comentar o episódio do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), que se tornou o centro das discussões políticas nos últimos dias entre representantes da esquerda.

O pré-candidato anunciou que se for eleito, indicará o economista Paulo Guedes para a função de ministro da Fazenda. Profissional renomado e respeitado pelo mercado, Guedes vem elaborando um plano econômico para a campanha de Bolsonaro com viés liberal, propondo redução de impostos e burocracias, além das privatizações de estatais para combater a corrupção.

Gospel +


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

política

Neri Geller, deputado federal eleito, deixa a prisão depois de HC concedido pelo STJ


Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

Neri Geller (PP) solto na segunda-feira (12) — Foto: TVCA/Reprodução

O deputado eleito, Neri Geller (PP) foi solto no início da noite desta segunda-feira (12), após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acatar o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do e ex-ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento no domingo (11). Geller estava preso desde a última sexta-feira (9), em Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá.

Ao ser solto, o ex-ministro concedeu entrevista à equipe de reportagem da TV Centro América. Ele negou as acusões e disse que não é indiciado, apenas teve o nome citado em uma delação.

“Não fui chamado para depor em nenhum momento das investigações e vou me inteirar das acusações e depois vou manifestar junto à imprensa”, disse.

O deputado eleito disse ainda que algumas pessoas que estão sendo acusadas de corrupção foram desafetos políticos dele durante o tempo em que foi ministro.

As investigações foram baseadas na delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do MDB. Foram presos na ação Antônio Andrade (também ex-ministro da Agricultura), Rodrigo Figueiredo (ex-secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, que já conseguiu liberdade), o empresário Joesley Batista e mais 13.

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

Ex-ministro diz que nunca foi chamado para depor — Foto: TVCA/Reprodução

A prisão

O ex-ministro foi preso durante a Operação Capitu, por suposto envolvimento em um esquema de corrupção no Ministério da Agricultura entre 2013 e 2014 e é um desdobramento da Lava Jato.

Neri Geller estava hospedado em um hotel de Rondonópolis porque participaria de um evento agropecuário. Por volta de 6h, três agentes da Polícia Federal (PF) chegaram ao local em carro descaracterizado e o levaram em cumprimento a um mandado de prisão temporária.

Após a prisão, Geller foi levado para a delegacia da PF e, posteriormente, encaminhado para a Penitenciária Major Eldo de Sá Corrêa, a Mata Grande, por não ter nível superior.

Fonte: G1 Mato Grosso