Primavera do Leste / MT

HOME / NOTÍCIAS

Opinião

8 sábios conselhos de Shakespeare mais atuais do que nunca


William Shakespeare foi e ainda é considerado um dos maiores poetas e dramaturgos de todos os tempos. Sua sabedoria e genialidade de escritos são atemporais. Acredito que mesmo que ele seja lido ainda por séculos, continuará sendo atual.

Nos últimos dias, assisti a um trecho de uma palestra do filósofo e escritor Leandro Karnal falando sobre o livro Hamlet de Shakespeare e nesse trecho ele fez um comentário sobre 8 sábios conselhos preferidos por Polônio a Laertes, personagens dessa peça. Farei uma breve reflexão a partir desses 8 conselhos, que foram transcritos logo abaixo, juntamente com esse vídeo. Confira…

1) Não expressar tudo o que se pensa.

2) Ouvir a todos, mas falar com poucos.

3) Ser amistoso, mas nunca ser vulgar.

4) Valorizar amigos testados, mas não oferecer amizade a cada um que aparecer a sua frente.

5) Evitar qualquer briga, mas se for obrigado a entrar numa, que seus inimigos o temam.

6) Usar roupas de acordo com sua renda, sem nunca ser extravagante.

7) Não emprestar dinheiro a amigos, para não perder amigos e dinheiro.

8) Ser fiel a ti mesmo, e jamais serás falso com ninguém.

https://www.youtube.com/watch?v=dqzfZDK19L0

*****

1) Esse ponto me faz lembrar até algo que aprendi com o grande filósofo Mario Sergio Cortella. Existe uma grande diferença entre SINCERIDADE e FRANQUEZA. Ser sincero é não ter uma máscara de cera em seu rosto, aliás, esse é o significado etimológico dessa palavra. Você fala a verdade, mas tem cautela na forma de falar. Já a franqueza é dizer toda a verdade. É mais ou menos como o personagem “Super sincero” que passava no Fantástico. Quem é sempre franco acaba sendo grosseiro em muitas vezes.

Portanto: Não expresse tudo o que se pensa, porque isso pode custar muito caro…

2) Aqui está a maravilhosa SABEDORIA DO SILÊNCIO, que não aprofundarei porque tenho um texto no blog “Para além do agora” que fala sobre essa sabedoria de forma magnífica, um texto que não se sabe a data ao certo, mas é de uma beleza e profundidade imensa. Esse texto pertence à sabedoria do TAO, que prega exatamente que caminhemos pelo caminho do meio, sem excessos de nenhuma natureza. Segui [aqui] o link para lê-lo, e recomendo fortemente a sua leitura como um complemento para esse texto!

3) Ser amistoso é tratar as pessoas com amizade, com respeito e com atenção. Porém, ser vulgar é não ter critério nenhum na vida. Inclusive essa palavra vem de vulgus, que significa multidão. Percebe que interessante? A pessoa vulgar é aquela que não faz distinção em nada, e isso é tremendamente perigoso. Também escrevi um texto interessante falando sobre a importância de termos CRITÉRIO na vida, também inspirado no grande Mario Sergio Cortella. Segue o link [aqui].

4) Esse conselho está super atrelado ao 3º, porque a amizade é algo que vai se construindo com o tempo e com as experiências. Não é algo automático, muito menos algo que seja universal. Costumo dizer que amigo mesmo, com todas as letras: A-M-I-G-O. Temos bem poucos na vida, quase sempre é possível contar nos dedos das mãos. Novamente insisto: tenha mais critério na sua vida

5) Esse ponto, de todos, é o que considero mais complexo, porque tenho quase certeza que o Shakespeare retirou essa sabedoria do livro “A arte da guerra” de Sun Tzu. Uma das celebres frases desse livro diz o seguinte: “Os que ganham todas as batalhas não são realmente profissionais; os que conseguem que se rendam impotentes os exércitos alheios sem lutar, são os melhores mestres do Arte da Guerra” – Sun Tzu.

Isso é maravilhosamente lindo. Esse mesmo princípio provavelmente inspirou o querido Mahatma Gandhi com o seu Satyagraha, que é a não violência como forma de rebelião. E nesse mesmo princípio grandes seres humanos construíram suas vidas como Martin Luther King, Madre Teresa de Calcutá, Nelson Mandela.

Esses grandes mártires eram temidos pelos seus inimigos. Muitos se renderam à força extraordinária que eles tinham e que deixaram como legado para a humanidade.

Esse conselho de Shakespeare é carregado de extrema sabedoria…

6) Esse conselho é engraçado, porque ele fala sobre a pessoa ter controle sobre as suas finanças. Eu conheço muita gente que ganha bem pouco, mas sai por aí desfilando com roupas caras e chiques. Por quê? Só mesmo para ter uma aparência que seja mais vistosa! Mas a que custo? Ao custo de viver com os cartões de crédito estourados.

É possível se vestir bem com roupas bem baratas. Inclusive aproveito até pra brincar um pouco. Se alguém que esteja lendo esse texto for de Fortaleza, vou confessar uma coisa que nunca disse antes: Eu compro roupas na famosíssima José Avelino, ou pra os íntimos, na feira da Sé! hehehe. Economizo um montão e uso roupas muito boas!

Então sobra dinheiro para comprar livros, por exemplo, que é uma das minhas maiores paixões.

7) Esse ponto é muito delicado. Eu sempre digo para amigos, e essa dica aprendi com grandes empreendedores como Flavio Augusto, Seiiti Arata, Conrado Navarro, Gustavo Cerbasi… Se alguém lhe pedi dinheiro diga o seguinte: “Olha! Vou lhe dar tanto dinheiro, mas será só dessa vez OK? Procure ser bastante cauteloso e organizado, porque não terei a mesma disposição se você voltar a me pedir dinheiro…”. E você fala isso com serenidade e firmeza. Infelizmente, são poucos os que conseguem fazer isso, porque são acometidos pelo terrível sentimento de PENA, que a meu ver é um dos piores sentimentos que existe. Quem sente pena tem um egão gigantesco, como gosto de brincar quando falo sobre isso.

Siga essa dica desses caras que entendem de finanças como ninguém! Eles são as maiores referências brasileiras.

8) O último é o mais importante de todos. Ele está falando sobre a AUTENTICIDADE. Seja você mesmo e você estará cumprindo a sua missão de vida. Também não aprofundarei nesse ponto porque é sobre isso o que mais falo por aqui. Dê uma passadinha nos textos anteriores que eles vão lhe trazer grandes reflexões sobre esse autoconhecimento profundo!

********

Se você observar, o resumo dos ensinamentos do Shakespeare pode ser dito em três palavras: CAMINHO DO MEIO. Esse é o caminho perfeito, como já coloquei em diversos textos do blog. Se você aprender a ter esse equilíbrio, o que só é possível com muita pratica e busca pelo autoconhecimento, sua vida alcançará um grau de plenitude absurdamente maior e consequentemente essa plenitude será espalhada para as outras pessoas.

Reflita com carinho sobre tudo isso! Paz e luz…

 


COMENTÁRIOS

0 Comentários

Deixe o seu comentário!





*

HOME / NOTÍCIAS

Brasil

Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver


Há, no Brasil, cerca de 1 milhão de indígenas de mais de 250 etnias distintas vivendo em 13,8% do território nacional. Em meio às ameaças de violência, riscos de perda de direitos em decorrência da pressão dos latifundiários, mineradoras e usinas, alguns povos indígenas lutam por mais autonomia, tentando conquistar, com a comercialização de seus produtos e com o turismo, alternativas para diminuir a dependência dos recursos cada vez mais escassos da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Segundo especialistas consultados pela Agência Brasil, estes são alguns dos principais desafios a serem lembrados neste 19 de abril – o Dia do Índio.

Para serem bem-sucedidos, nessa empreitada visando a venda de suas produções e a exploração dos recursos naturais das terras indígenas (TIs), os povos indígenas têm como desafio buscar maior representatividade no Congresso Nacional, uma vez que cabe ao Legislativo Federal criar políticas específicas que deem segurança jurídica para que eles consigam o desenvolvimento financeiro do qual sempre foram excluídos.

Sustentabilidade

Alguns povos indígenas que tiveram suas terras homologadas têm conseguido bons resultados por meio da comercialização de seus produtos. Levantamento apresentado à Agência Brasil pelo Instituto Socioambiental (ISA) aponta que, somente na safra 2017/2018, índios da etnia Kaiapó do Pará obtiveram cerca de R$ 1 milhão com a venda de 200 toneladas de castanha. Outros R$ 39 mil foram obtidos com a venda de sementes de cumaru, planta utilizada para a fabricação de medicamentos, aromas, bem como para indústria madeireira.

A castanha rendeu aos Xipaya e Kuruaya, no Pará, R$ 450 mil, dinheiro obtido com a venda de 90 toneladas do produto. Cerca de 6 mil peças de artesanato oriundo das Terras Indígenas do Alto e do Médio Rio Negro renderam R$ 250 mil aos índios da região. Já os indígenas da TI Yanomami (Roraima e Amazonas) tiveram uma receita de R$ 77 mil com a venda de 253 quilos de cogumelos.

Os exemplos de produções financeiramente bem-sucedidas abrangem também os Baniwa (AM), que venderam 2.183 potes de pimenta, que renderam R$ 46,3 mil. As 16 etnias que vivem no Parque do Xingu obtiveram R$ 28,5 mil com a venda de 459 quilos de mel.

 

Autonomia

O presidente da Funai, general Franklimberg Ribeiro Freitas, disse que cabe aos indígenas a escolha do modelo de desenvolvimento a ser adotado. “A Funai deve apoiá-los para atingir seus objetivos”, afirmou à Agência Brasil. “Em diversas regiões, os índios estão produzindo visando à comercialização de seus produtos ou mesmo serviços, como o turismo ecológico. Essas experiências mostram que a extração sustentável, a comercialização de produtos e o turismo podem ajudar a ampliar o desenvolvimento das Terras Indígenas”, disse o presidente do órgão indigenista.

Franklimberg destacou que entre as etnias que produzem e avançam na comercialização de produtos e serviços estão os Kaiapós do Pará.  “Eles produzem toneladas de castanha e agora reivindicam máquinas para beneficiar o produto”, ressaltou. “Há também o cultivo e a venda de camarão, pelos Potiguara da Paraíba, que está bastante avançada. Tem até a lavoura de soja dos Pareci, no Mato Grosso”.

O presidente da Funai acrescentou ainda que: “No caso do minério e dos recursos hídricos, é preciso ainda normatizar e regulamentar essas atividades, o que cabe ao Congresso Nacional fazer”.

Congresso Nacional

Para o antropólogo e professor da Universidade de Brasília Stephen Baines, os indígenas são preteridos na relação com os empresários e donos de terras. “Há uma desproporção absurda no Legislativo brasileiro a favor daqueles que querem o retrocesso dos direitos dos povos indígenas, previstos na Constituição de 1988 e na legislação internacional”, disse à Agência Brasil.

“Temos atualmente um Congresso Nacional extremamente conservador que representa – por meio de parlamentares ligados à bancada ruralista, ao agronegócio, às empresas de mineração e aos consórcios de mineração e de usinas hidrelétricas – a maior ameaça e o maior ataque aos direitos dos povos indígenas”, afirmou o antropólogo.

Segundo Baines, é difícil para os índios planejar grandes voos do ponto de vista de recursos, sem que, antes, seja resolvida a questão da gestão territorial, o que inclui a segurança jurídica que só é possível a eles após terem suas terras demarcadas e homologadas.

“É fundamental que se tenha respeito pelos índios e pela sua forma de viver e produzir. Para tanto, é necessária a efetivação dos direitos previstos tanto na Constituição como pelas convenções internacionais”, disse Baines citando convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos dos povos indígenas.

Violência

Stephen Baines afirmou que a violência contra os índios ainda é intensa em várias comunidades, como nos estados do Pará, Mato Grosso e Roraima. “Há muitas ameaças contra os índios, feitas por latifundiários, empresas e pelos capangas, que matam lideranças locais que lutam pelos seus direitos. Quer saber onde os índios correm mais riscos? Basta olhar para as terras indígenas que estão próximas a latifúndios”, disse.

Baines citou como exemplo o ocorrido na Terra Indígena Raposa Serra do Sol (RR), onde fazendeiros que vieram de outras regiões se instalaram. “Eles invadiram as áreas indígenas para desenvolver produção industrial de arroz. Para expulsar os índios da região, usavam capangas. Até indígenas foram pagos por eles para intimidar as lideranças”, afirmou.  “Atualmente, muitos daqueles invasores são atualmente influentes políticos locais e federais e, com a ajuda da mídia, passam a falsa ideia de que há muita miséria entre os indígenas. Os indígenas negam isso, mas não conseguem espaço na mídia para desmentir a história falsa.”

À Agência Brasil, o integrante da Frente Parlamentar da Agropecuária e líder do PSDB na Câmara, deputado Nilson Leitão (MT), disse que “nenhum projeto” aprovado pelo Congresso Nacional traz prejuízos aos interesses dos indígenas. “Pode ir contra o interesse de intermediários, interventores ou organizações sociais, que dizem trabalhar para o índio. Nenhum deputado que eu conheço, que defenda o setor produtivo, trabalha contra o índio”, disse.

Nilson Leitão afirmou que o “verdadeiro parceiro do índio são os produtores”. “[Indígenas e produtores] são vizinhos, moram na mesma localidade, têm as mesmas peculiaridades e colaboram um com o outro. Não existe conflito entre eles a não ser aqueles provocados por organizações sociais”, disse.

Marco temporal

O antropólogo alertou sobre “marco temporal”, medida que divide opiniões, busca produzir a área das terras indígenas, colocando como referência para as demarcações as terras que estavam ocupadas na época em que a Constituição foi promulgada [1988], ou seja, quando os “indígenas foram removidos e expulsos de suas terras em todo o Brasil”.

Neste cenário, as manifestações indígenas ganharam mais força, como o caso do Acampamento Terra Livre, organizado pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). Formado em 2004, é a maior mobilização de povos indígenas do país. Em 2017, mais de 3 mil indígenas de 200 povos participaram da manifestação em Brasília.

No próximo dia 23, haverá a 15ª edição da mobilização, em Brasília, em defesa da manutenção e efetivação dos diretos dos povos indígenas.

Mais demandas

Os diversos grupos indígenas apelam por mais mecanismos de segurança jurídica para o desenvolvimento e comercialização de seus produtos. “A segurança jurídica não pode ficar restrita a grandes grupos econômicos. Além de ter seus direitos respeitados e a liberdade para explorar as terras como acharem melhor, os indígenas precisam também de incentivos para produzir, respeitando seus próprios modos de produção”, argumentou Stephen Baines

Segundo o antropólogo, o conhecimento tradicional sobre a relação com o ambiente faz parte dos produtos indígenas e, ao mesmo tempo, valoriza a questão ambiental. “Não há dúvida de que o fato de serem feitos por indígenas dá ao produto um diferencial, por serem ecologicamente seguros. Inclusive há lojas na Europa muitas lojas que vendem produtos industrializados como sendo indígenas. Alguns até usam uma pequena quantidade de óleo de castanha kaiapó para associar a imagem do produto à ideia de produção sustentável em suas campanhas de marketing”.

Em menor escala, a forma de produção indígena é bastante diferente da exploração industrial, que, segundo ele, é desastrosa e provoca impactos ambientais irreversíveis. “Quando eles optam pela mineração, eles o fazem por meio de uma maneira própria de garimpagem em pequena escala. Extraem somente o necessário, pensando nas gerações futuras. Não querem empresas porque sabem que elas tiram tudo de uma vez, não deixando nada para o futuro”.

Para Baines, é importante a adoção de cotas indígenas no ensino superior, como fez de forma pioneira a Universidade de Brasília (UnB). Em 2017, havia 67 alunos indígenas de 15 povos. Destes, 42 faziam graduação e 25 pós-graduação.

Política

O assessor parlamentar da Funai Sebastião Terena disse que as lideranças indígenas têm trabalhado também para ampliar a representatividade de índios na política brasileira nas eleições de 2018, em especial no Congresso Nacional. As dificuldades, no entanto, não são poucas. Na história do Parlamento brasileiro, o único indígena eleito foi Mário Juruna, em 1982, para a Câmara dos Deputados.

Pelos dados de Terena, há apenas 117 vereadores indígenas cumprindo mandato em 25 unidades federativas, além de quatro prefeitos e um vice-prefeito. “Apesar da falta de recursos e de infraestrutura, pela primeira vez teremos pré-candidatos indígenas em pelo menos 10 estados e no Distrito Federal”, disse Terena à Agência Brasil. A definição dessas candidaturas deve ocorrer em julho.

O antropólogo Stephen Baines lamenta que “apenas uma pequena minoria de parlamentares luta pelos direitos indígenas”. “Em parte, isso se explica porque muito do dinheiro do agronegócio e das empresas e consórcios acaba sendo usado em campanhas eleitorais das bancadas contrárias aos povos indígenas. E muito provavelmente parte do financiamento vantajoso que é direcionado ao agronegócio acaba servindo também para financiar as campanhas dessa bancada que faz de tudo para inviabilizar candidaturas indígenas”, acrescentou.

Na avaliação de Baines, a data de hoje – Dia do Índio – é importante não só para o protagonismo indígena, mas também para chamar a atenção das pessoas interessadas na defesa dos direitos indígenas.

Fonte: Por Pedro Peduzzi – Repórter da Agência Brasil*  Brasília